'Preocupação foi com os mais velhos', diz autora de 'Éramos seis' sobre a reta final das gravações

Durante toda a exibição de Éramos Seis, o público sofreu antes, por saber o que estava por vir, e depois, ao assistir a difícil trajetória de Lola (Gloria Pires) e sua família, na São Paulo do início do século passado. Odiou Júlio (Antonio Calloni), mas chorou com sua redenção e morte no início dos anos 1930. Também se irritou com Carlos (Danilo Mesquita), que, dentro do que era esperado em sua época, assumiu o papel de homem da casa, intervindo e atrapalhando a vida dos irmãos, ao tentar poupar sua mãe. Mas, igualmente, lamentou sua dolorosa morte que precedeu a Revolução Constitucionalista de 1932. A novela chegou ao fim nesta semana e sua autora, Angela Chaves, comenta como foi escrever a trama das seis.

Qual é o balanço que você faz de 'Éramos Seis'?
'Éramos Seis' é uma novela atemporal, que mostra sua força em mais esta adaptação. É uma história emocionante, que merece ser contada muitas vezes. Espero que o público que não leu o livro tenha curiosidade em ler este belo romance de Maria José Dupret.
 
Quais foram as adaptações necessárias nesta reta final por causa do coronavírus?
A novela estava bem adiantada na reta final, faltavam apenas algumas cenas para serem gravadas. Nossa preocupação foi com os mais velhos e também com as crianças. Mas conseguimos realizar da melhor forma com a ajuda de todos.
 
Ao longo da história, vários atores que participaram da versão de 1994 ou até da versão de 1977, caso da Nicette Bruno, fizeram participações especiais. Isso já era previsto? Como foi poder homenageá-los?
Essas participações foram acontecendo. É incrível o afeto que esta novela carrega. É um sonho poder contar com Nicette Bruno e Irene Ravache, duas Lolas marcantes... assim como com todos os demais.
 
Como decidiu o que ficava e o que saía nesta versão?
Nossa base foi o texto da novela de 1994, seguimos por este caminho com todo critério e responsabilidade, mas também tivemos liberdade pra mudar.  A ideia desde a sinopse foi dar um sopro de esperança, um final mais feliz para dona Lola.