Preocupada com demanda fraca por petróleo, Opep promete ações

Por Alex Lawler e Ahmad Ghaddar e Vladimir Soldatkin
·2 minuto de leitura
.
.

Por Alex Lawler e Ahmad Ghaddar e Vladimir Soldatkin

LONDRES/MOSCOU/DUBAI (Reuters) - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e produtores aliados se comprometeram nesta segunda-feira a agir em apoio ao mercado da commodity, à medida que crescem preocupações de que uma segunda onda da pandemia de Covid-19 possa afetar a demanda e de que um plano anterior do grupo para aumentar a produção a partir do ano que vem possa deprimir ainda mais os preços.

A Arábia Saudita, principal membro da Opep, disse que ninguém deve duvidar do compromisso do grupo em fornecer suporte ao mercado, enquanto três fontes de países produtores afirmaram que o aumento de bombeamento projetado para janeiro pode ser revertido caso necessário.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, já trocaram dois telefonemas na semana passada. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o contato regular é necessário, diante da volatilidade dos mercados.

A Opep e seus aliados, entre eles a Rússia, que formam o grupo conhecido como Opep+, têm reduzido produção desde 2017, na tentativa de sustentar os preços e diminuir os estoques.

"Esse grupo mostrou, especialmente neste ano, que possui flexibilidade para se adaptar a diferentes circunstâncias quando necessário. Nós não vamos nos esquivar das nossas responsabilidades em relação a isso", disse o ministro de Energia da Arábia Saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman.

"Ninguém no mercado deve ter qualquer dúvida quanto ao nosso comprometimento e nossas intenções", acrescentou o príncipe Abdulaziz na abertura do comitê ministerial de monitoramento conjunto da Opep (JMMC, na sigla em inglês).

Por ora, a Opep está reduzindo sua produção em 7,7 milhões de barris por dia (bpd), após cortes de 9,7 milhões de bpd entre 1º de maio e 1º de agosto. Em janeiro, as restrições deverão ser flexibilizadas em mais 2 milhões de bpd.

Quatro fontes da Opep+, falando em condição de anonimato, disseram que o painel desta segunda-feira não fez qualquer recomendação formal sobre mudanças na política do grupo para 2021. A próxima reunião da Opep ocorrerá em 30 de novembro e 1º de dezembro.

(Reportagem de Alex Lawler e Ahmad Ghaddar em Londres, Vladimir Soldatkin em Moscou e Rania El Gamal em Dubai)