Preocupada, ONU pede que haitianos resolvam crise de forma pacífica

·1 minuto de leitura
Ruas vazias com bloqueios no parque Champs de Mars, em Porto Príncipe, em 8 de fevereiro de 2021

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e sua missão no Haiti acompanham a situação no país "com preocupação", disse nesta segunda-feira (8) seu porta-voz, que afirmou que é "muito importante que todas as partes envolvidas tratem de suas divergências por meios pacíficos".

Durante sua coletiva de imprensa habitual, Stéphane Dujarric também destacou que a ONU aguardava os resultados da investigação conduzida pela polícia haitiana sobre "23 pessoas detidas no fim de semana e suspeitas de tentativa de golpe de estado".

Questionado sobre se a ONU ainda considera o presidente Jovenel Moise, cujo mandato terminou no domingo segundo seus adversários, como legítimo, o porta-voz disse, sem entrar em detalhes, que ele foi eleito em novembro de 2016 e "empossado em fevereiro de 2017 para um mandato de cinco anos".

A oposição haitiana pressionou o controverso presidente ao nomear um líder que deveria se encarregar de garantir a transição em um país em crise, um dia após o anúncio pelo chefe de Estado de que havia escapado de uma tentativa de assassinato.

A discordância sobre o momento do fim do mandato do presidente se deve ao fato de Moise ter sido eleito durante uma votação que foi rejeitada por fraude e então reeleito um ano depois.

Sem um Parlamento ativo por enquanto, o país mergulhou ainda mais na crise em 2020. Isolado, o presidente Moise governa por meio de decretos, alimentando uma crescente desconfiança entre a população.

prh/iba/rs/yow/ic