Preparador do Fluminense: 'Não acredito que as autoridades liberem treinos nem com restrições'

Diogo Dantas
Marcos Seixas, do Fluminense

A decisão do Fluminense de ser mais cauteloso sobre a volta dos treinos e jogos passa também pela sua preparação física. O preparador Marcos Seixas não crê que as autoridades vão liberar as atividades no começo de maio. Os clubes haviam dado férias até o dia 30 de abril. Mas o Tricolor vai voltar aos trabalhos com os atletas em casa.

Concorda com a volta dos treinos agora?

Nesse primeiro momento após as férias, não vejo as autoridades liberando nem para esse tipo de treinamento em maio. A pandemia continua crescendo, e acho que não vão liberar nem com restrições.

Como o Fluminense vai fazer?

Pós-férias ainda teremos um período de “home trainning”. Esse treinamento à distância é provisório. Depois de 50 dias, com pouca atividade, vamos passar a ter uma rotina de treino com eles, diários, encaminhamento de atividades e acompanhamento delas pela internet.

São treinos diferentes dos atuais em casa?

Serão treinos localizados, nem todos têm essa condição, seja com material ou espaço físico. Tem que ser treinos adaptados, com exercícios funcionais, que usa o peso do corpo como carga. Vamos encaminhar também treinamento com bola com auxílio de uma pessoa, profissional amigo ou parente, filho, esposa.

E quando voltar ao CT?

Treinos com pequenos grupos. Jogadores trabalhando individualmente a parte física, tanto com a bola como sem a bola. Você conseque fazer exercicios de passe, que se respeite as distâncias. Que o atleta consiga também se condicionar.

O que vai mudar em termos de preparação?

O que não vai ter nessa primeira semana, dez dias, com as regras, são os pequenos e grandes jogos. Não vai poder ter o contato físico. Mas pode ter os trabalhos táticos setorizados, defesa e ataque em separado, com distanciamento. Pode ter a equipe inteira trabalhando contra adversário invisível.

Teremos que recorrer a técnicas do passado?

A ciência do treinamento esportivo não é exata. Não existe apenas um modelo de preparação física, assim como treinos táticos e técnicos. Com essas exigências sanitárias e necessidade de isolamento no início, vamos ter que fazer uso de técnicas que não vínhamos utilizando. Técnicas diferentes, não ultrapassadas. Elas atingem seu objetivo.