Presidência do Senado diz que Davi Alcolumbre contraiu coronavírus

DANIEL CARVALHO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), 42, está com coronavírus, segundo nota oficial divulgada nesta quarta-feira (18). Na semana passada, seu primeiro exame havia dado negativo.

"Davi Alcolumbre, no entanto, está bem, sem sintomas severos, salvo alguma indisposição, e segue em isolamento domiciliar, conforme determina o protocolo de conduta do Ministério da Saúde e a OMS", diz o texto enviado pelo Senado.

Na segunda-feira (16), Alcolumbre participou de uma reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, outros cinco ministros da corte —Luiz Fux, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Luís Roberto Barroso—, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o advogado-geral da União, André Mendonça.

Ele havia feito o primeiro teste na noite de quinta-feira (12) porque havia tido contato, ao longo da semana, com mais de 20 ministros, parlamentares e assessores que estiveram com o presidente Jair Bolsonaro em viagem aos Estados Unidos, no início de março. Dezoito integrantes da comitiva já foram diagnosticados com a Covid-19.

Um deles era o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), presidente da Comissão de Relações Exteriores, que também teve resultado positivo em seu exame. Trad havia participado de reunião em sala fechada com a maioria dos líderes partidários da Câmara e do Senado, além de Alcolumbre e do presidente da Câmara.

Também participaram os ministros Paulo Guedes (Economia), Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e o presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto (Banco Central).

Na quinta passada, Alcolumbre viajou para o Amazonas com seis senadores e 11 deputados, além de assessores —uma delas apresenta sintomas de um forte resfriado.

Também nesta quarta-feira, o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, informou que o seu exame para coronavírus teve resultado positivo. Também foi diagnosticado com a doença o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

O general da reserva, que participou da comitiva presidencial aos Estados Unidos e é um dos ministros mais próximos do presidente, tem 72 anos. Já Albuquerque tem 61. Por causa da idade, eles fazem parte do grupo de risco para a doença.

Nas redes sociais, Heleno disse que realizou o exame no HFA (Hospital das Forças Armadas), mas que ainda aguarda a contraprova realizada pela Fundação Oswaldo Cruz.

"Informo que o resultado do meu segundo exame, realizado no HFA, acusou positivo. Aguardo a contraprova da FioCruz. Estou sem febre e não apresento qualquer dos sintomas relacionados ao COVID-19. Estou isolado, em casa, e não atenderei telefonemas", disse.

Com a confirmação do diagnóstico dos ministros, subiu para 18 o número de integrantes da comitiva presidencial que viajou aos Estados Unidos a serem diagnosticados com a doença.

O primeiro exame feito por Heleno, na semana passada, tinha dado negativo, segundo a sua assessoria de imprensa. Como o coronavírus pode demorar para se manifestar, ele realizou um novo teste na terça-feira (17).

Naquele dia, Heleno teve três encontros com Bolsonaro, registrados na agenda oficial. Em nenhum deles ele usou máscara cirúrgica. Na manhã desta quarta-feira, a equipe de limpeza do Palácio do Planalto passou álcool nos gabinetes da pasta.

Na terça-feira, após realizar o segundo exame, o ministro deu entrevista à imprensa e disse que não é absolutamente tranquilizador não ter os sintomas da doença.

"Já houve gente que foi diagnosticada, porque isso depende muito da reação do seu organismo. Às vezes, seu organismo resiste a esse tipo de vírus sem ter grandes problemas", afirmou.

Albuquerque também já havia feito um primeiro exame, que deu negativo, mas todos que estiveram na missão seguem protocolo médico e estão realizando novas análises durante o período de incubação do vírus.

A confirmação de que ele estava com a doença foi feita por Bolsonaro durante entrevista coletiva com outros ministros nesta quarta —todos eles vestiam máscaras.

O presidente disse que a "luz amarela" do governo acendeu durante a operação de resgate de brasileiros isolados na cidade chinesa de Wuhan, o epicentro da Covid-19.

"A todos ministros foi determinado que começassem a se preocupar", disse. "Todos sabíamos que ele [vírus] chegaria", acrescentou.

"Começamos a nos preparar. Até que os primeiros casos começaram a aparecer no Brasil. Alguns achavam que a gente deveria suspender o Carnaval. Tivemos esses dias um governador que queria impedir as pessoas de ir a praia. Não só foi um fracasso como o número de pessoas nas praias aumentou", declarou, numa crítica velada ao governador do Rio, Wilson Witzel.

Nesta terça, porém, ele disse que havia histeria em relação à epidemia de coronavírus.

Bolsonaro realizou seu segundo teste para a doença na terça, que deu negativo como o primeiro.

Além de Albuquerque, Heleno e Trad, outras 15 pessoas que estiveram com o presidente em comitiva nos Estados Unidos foram diagnosticadas com a Covid-19.

A assessoria do deputado federal Daniel Freitas (PSL-SC) confirmou o diagnóstico do parlamentar nesta terça-feira. Freitas começou a apresentar sintomas no último fim de semana e permanecerá em quarentena em Brasília.

Na segunda-feira (16) já haviam sido diagnosticados o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Flávio Roscoe, o secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, e o presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Braga de Andrade.

O GSI havia informado no domingo (15) que quatro integrantes da equipe que serviu de apoio à viagem estão infectadas.

Também foram diagnosticados o publicitário Sérgio Lima, um empresário que não se identificou, o chefe da Secom, Fabio Wajngarten, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), o diplomata Nestor Forster, a advogada Karina Kufa, o prefeito de Miami, Francis Suarez, e o número 2 da Secom, Samy Liberman.