Presidenciável francês Macron desafiou pais para manter romance com professora, diz livro

Por Richard Balmforth

Por Richard Balmforth

PARIS (Reuters) - O candidato a presidente francês Emmanuel Macron desafiou as ordens de seus pais e manteve um romance com uma professora 24 anos mais velha, com quem acabou se casando e que irá se tornar a primeira dama se ele for eleito neste mês, segundo um livro recém-publicado.

Quando Macron era adolescente, seu pai disse a Brigitte Trogneux, mãe de três filhos, para ficar longe de seu filho até ele completar 18 anos de idade, de acordo com o livro.

    "Não posso prometer nada", respondeu ela em lágrimas. O relacionamento continuou e a dupla se casou em 2007, depois que Brigitte se divorciou de seu marido.

    A relação de Macron com Brigitte inspirou uma cobertura intensa de revistas de celebridades. O lançamento de "Emmanuel Macron: Um Jovem Perfeito" (numa tradução livre) se soma à onda de reportagens vistas nas últimas semanas de uma disputa presidencial apertada na qual ele é o favorito.

    Não parece provável que a publicação mais recente irá ter muito impacto nas chances de eleição do político de 39 anos --se tiver algum.

    Mas os detalhes do romance, que começou em uma escola jesuíta nas províncias em que ele viveu na adolescência e ela trabalhava como professora, certamente irá cativar a imaginação do público nos dias que antecedem a votação em dois turnos de 23 de abril e 7 de maio.

    Ele tinha cerca de 16 anos à época, e ela estava no final da casa dos 30 anos. O romance floresceu quando ele estudou teatro com Brigitte, diz o livro.

    A jornalista Anne Fulda, que entrevistou Macron, sua esposa e os pais do presidenciável para o livro, disse que estes últimos ficaram chocados ao descobrir que seu filho adolescente se interessou por Brigitte, e não por sua filha.

    "Não conseguíamos acreditar. O que é claro é que, quando Emmanuel conheceu Brigitte, não conseguimos simplesmente dizer 'que ótimo!'", disse a mãe de Macron.

    Procurado para comentar, o porta-voz de Macron disse ser lamentável que Fulda não tenha procurado ouvir as opiniões do candidato e de sua esposa a respeito da oposição dos pais de Macron ao romance.

Brigitte se manteve discreta a respeito das origens do caso.

    "Ninguém jamais vai saber em que momento nossa história se tornou uma história de amor. Isso pertence a nós. Isso é nosso segredo", disse, segundo uma citação.