'Presidente é quem decide', diz Osmar Terra sobre substituição no ministério da Cidadania

Isabella Macedo

BRASÍLIA — O ministro da Cidadania, Osmar Terra, afirmou no início da tarde desta quarta-feira que não tratou de substituição no ministério com o presidente Jair Bolsonaro. Horas antes de um evento da pasta, o ministro participou de um almoço com o presidente, previsto na agenda oficial desde ontem. Questionado se continuaria no cargo, Terra desviou do assunto e afirmou que a decisão é de Bolsonaro.

— Eu sou cargo de confiança. O presidente é quem decide — disse o atual ministro.

Pouco antes da declaração de Osmar Terra, O GLOBO confirmou que Bolsonaro convidou o general Walter Souza Braga Netto para assumir a pasta da Casa Civil, que atualmente está sob o comando de Onyx Lorenzoni, que passou por um processo de enfraquecimento no cargo desde o ano passado.

— Nem tocamos neste assunto. Eu estou sabendo pela imprensa. Almocei com o presidente e com vários atletas, personalidades. Tiramos fotos e ele gravou um vídeo para o nosso evento aqui. Não se tocou nesse assunto — afirmou o ministro sobre a confirmação da saída de Onyx e a possibilidade de que ele o substitua.

A reorganização ministerial estudada no Planalto é a demissão de Terra da pasta da Cidadania, que seria assumida por Onyx. Trata-se de uma solução para a manutenção de Onyx no time da Esplanada, que apesar de ter pedido poder na titularidade da Casa Civil, ainda tem a consideração de Bolsonaro por sua lealdade.

Também balançando no cargo, Terra teve atritos com equipe econômica por causa das mudanças no Bolsa Família e com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Dentro do governo, há quem diga que Osmar Terra tentou enfraquecer Mandetta para assumir a pasta da Saúde.