Presidente do órgão eleitoral boliviano renuncia

·2 minuto de leitura
Funcionários eleitorais se preparam para contar os votos em uma seção eleitoral durante as eleições gerais da Bolívia, em La Paz, em 18 de outubro de 2020

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da Bolívia, Salvador Romero, renunciou nesta quinta-feira (29) ao cargo para o qual foi indicado pelo governo anterior. A oposição expressou preocupação com a independência do órgão.

"A carta de renúncia foi apresentada ao Palácio do Governo", disse uma fonte do TSE à AFP um dia depois de Romero antecipar que oficializaria sua renúncia nesta quinta-feira.

"Eu saio como cheguei, um homem livre de laços, independente de forças políticas ou interesses de grupo, exclusivamente comprometido com uma eleição justa como a pedra angular da democracia", afirmou na quarta-feira.

Romero, de 49 anos, foi nomeado membro do TSE em novembro de 2019 por um período de cinco anos pela então presidente de transição e de direita Jeanine Áñez, e depois assumiu a presidência do Tribunal por acordo com os outros seis membros.

A eleição de Romero foi parte de uma reconstrução total do TSE, já que todas as autoridades eleitorais anteriores haviam sido presas após a renúncia do presidente de esquerda Evo Morales.

Romero conduziu as eleições presidenciais e legislativas em outubro de 2020, as eleições para prefeitos e governadores em março e o segundo turno para governadores este mês.

Após o anúncio de sua renúncia, o ex-presidente do centro Carlos Mesa disse que "o risco aumenta" de que o Movimento pelo Socialismo, o partido de Morales e o atual presidente Luis Arce, controlem o corpo eleitoral "e a democracia continue enfraquecendo".

O substituto de Romero deve ser nomeado por Arce. Os outros seis membros, ainda em funções, são eleitos pelo Parlamento.

Arce não compareceu aos atos do TSE para protestar contra a decisão do órgão de aceitar a chegada de uma missão eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA), acusada de interferir nos assuntos internos do país.

jac/fj/dg/jc