Presidente argentino acusa direita 'fascista' de ameaçar democracia latino-americana

A VII Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) foi inaugurada nesta terça-feira (24) pelo presidente argentino, Alberto Fernández, com um discurso forte, no qual acusou a "direita reacionária e fascista" de ameaçar a democracia na região.

"Temos que trabalhar para garantir e fortalecer a institucionalidade da nossa região (...) A democracia está definitivamente em risco. Depois da pandemia, estamos vendo como setores da extrema direita se levantaram e ameaçam cada um dos nossos povos”, afirmou.

"Não podemos permitir que essa direita reacionária e fascista coloque em risco a institucionalidade dos povos”, continuou, referindo-se em particular ao ataque contra as sedes dos Três Poderes em Brasília, promovida por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Ele também se referiu à tentativa de assassinato da vice-presidente argentina Cristina Kirchner no ano passado, cujas motivações ainda são desconhecidas.

Fernández também pediu aos líderes presentes que aplaudissem o presidente Lula, cuja presença marca o retorno do Brasil à CELAC. Por decisão de Bolsonaro, o país não participou nos últimos anos deste fórum de concertação regional, que reúne 33 nações.

A participação do Brasil na CELAC foi suspensa em 2020. Segundo o ex-presidente, grande crítico da esquerda, a cúpula deu destaque a regimes não democráticos como os da Venezuela, Cuba, Nicarágua.

Consequentemente, o Brasil não participou da sexta cúpula em 2021, no México.

Ao citar Cuba e Venezuela, Fernández pediu "o fim dos bloqueios", que são "um método perverso de sancionar não os governos, mas os povos".

“Cuba sofre um bloqueio há mais de seis décadas e o mesmo ocorre com a Venezuela”, acrescentou, sob o olhar atento do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel.

Por outro lado, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não compareceu ao encontro na Argentina.

Em uma tentativa de interrogá-lo caso visitasse o país, organizações civis e particulares denunciaram o líder venezuelano perante a Justiça argentina por violação de direitos humanos.

Maduro tinha um encontro agendado para segunda-feira com Lula, que manteve na agenda a reunião com o cubano Díaz-Canel para esta terça-feira no âmbito da CELAC.

mr-edm/llu/ms/mvv