Presidente argentino diz que "protecionismo" europeu é principal obstáculo a acordo UE-Mercosul

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Chanceler alemão, Olaf Scholz, recebe presidente da Argentina, Alberto Fernández, em Berlim
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse nesta quarta-feira que o "protecionismo" em alguns setores europeus era o maior desafio para um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia.

A UE e o Mercosul, grupo formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, concordaram em junho de 2019 em criar uma área de livre comércio de 700 milhões de pessoas após duas décadas de conversações.

Entretanto, o acordo não foi ratificado devido a preocupações, especialmente na França e no Parlamento Europeu, sobre o desmatamento na Amazônia e o ceticismo em relação aos esforços do Brasil para combater a mudança climática sob o presidente Jair Bolsonaro.

Falando ao lado do chanceler alemão, Olaf Scholz, em uma conferência de imprensa conjunta em Berlim, Fernández disse: "O que realmente precisamos discutir é também ver como agimos contra o protecionismo de certos setores da economia europeia".

As assimetrias econômicas entre a Europa e a América Latina, agravadas pela pandemia do coronavírus e pela guerra na Ucrânia, também colocaram dificuldades, disse ele.

Scholz disse que acolheria de bom grado mais progressos nas negociações pelo acordo.

"O acordo é importante e há algumas questões que nos preocupam sobre padrões ambientais, sobre padrões sociais, mas no final trata-se de torná-lo um sucesso", disse Scholz.

O acordo comercial precisa ser aprovado pelo Parlamento Europeu e pelos 27 Estados-membros da UE.

Após sua visita à Alemanha, Fernández se encontrará com o presidente francês, Emmanuel Macron, na sexta-feira, para discutir o acordo.

A comissária da UE Virginijus Sinkevicius disse à Reuters no início deste mês que a UE e o Mercosul poderiam resolver as preocupações ambientais que atrasam o acordo de livre comércio até o final deste ano.

(Reportagem de Nicolás Misculin, em Buenos Aires, e Madeline Chambers, em Berlim)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos