Presidente argentino pede para 'não segregar ninguém' na Cúpula das Américas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente argentino Alberto Fernández defendeu nesta terça-feira (7) mais unidade na região, lamentando a ausência de vários países na Cúpula das Américas, horas antes de partir para o conclave realizado na cidade americana de Los Angeles.

"A unidade não se declara, a unidade se exerce e a melhor maneira de exercê-la é não segregar ninguém", disse o presidente à imprensa.

"Nós lamentamos enormemente a ausência de países que não foram convidados, mas tentarei levar sua voz como presidente da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) que sou", destacou Fernández, referindo-se a Cuba, Nicarágua e Venezuela, países que foram excluídos da cúpula que acontece até 10 de junho.

Por essas ausências, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, decidiu não comparecer, mas está representado por seu chanceler Marcelo Ebrard.

Fernández pediu há um mês aos organizadores da cúpula que "evitem exclusões que impeçam que todas as vozes do hemisfério dialoguem e sejam ouvidas" em uma carta como presidente temporário da CELAC.

O presidente argentino resolveu comparecer à cúpula após conversar com vários presidentes da região. Além disso, o presidente americano Joe Biden o convidou a visitá-lo em julho.

sa/nn/rsr/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos