Presidente ataca imprensa, e Lula chama Jovem Pan de canal de Bolsonaro

RIO DE JANEIRO, RJ, 28.10.2022 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Lula (PT) durante o debate para a Presidência da República nos estúdios da TV Globo, mediado pelo jornalista William Bonner, no Projac, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
RIO DE JANEIRO, RJ, 28.10.2022 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Lula (PT) durante o debate para a Presidência da República nos estúdios da TV Globo, mediado pelo jornalista William Bonner, no Projac, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A atuação da imprensa foi tema do debate na TV Globo nesta sexta-feira (28), o último antes da eleição de domingo.

O atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), criticou veículos de comunicação e até o apresentador William Bonner. Já o ex-presidente Lula (PT) afirmou que a Jovem Pan é o canal do adversário.

Bolsonaro mencionou a TV Globo pela primeira vez no começo do primeiro bloco. O presidente afirmou que, durante a campanha, "todo o sistema está contra", inclusive a emissora que organizou o embate.

Ao discutir corrupção, Bolsonaro citou o apresentador do debate para ironizar o seu adversário.

"Você dizer que foi absolvido? Só se for pelo Bonner", disse Bolsonaro. "Acho que o Bonner vai ser indicado para um [...] impossível governo teu".

Bolsonaro fazia referência à entrevista de Lula no Jornal Nacional, em agosto. Na ocasião, Bonner relembrou os julgamentos do ex-presidente na Lava Jato e o fato de ele ter tido suas condenações anuladas. "O senhor não deve nada à Justiça", afirmou, na época, o apresentador.

Nesta sexta, Bolsonaro também acusou Lula de "amordaçar" a mídia e afirmou que a Jovem Pan foi "calada" pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes.

Lula, então, reagiu com ironia. "A Jovem Pan, por acaso, é aquele seu canal de televisão?", perguntou.

Mencionado, Bonner se deu uma espécie de direito de resposta ao final do primeiro bloco.

"Eu de fato disse na entrevista do Jornal Nacional que o candidato Lula não deve nada à Justiça. Mas como jornalista eu não digo coisas da minha cabeça, eu disse isso baseado em decisões fundamentadas do Supremo Tribunal Federal".

A Folha também foi criticada por Bolsonaro, que insinuou que o jornal não tem credibilidade. "Lula, a minha fonte é o Ipea, a sua é a Folha de S.Paulo", disse, em tom de deboche.