Presidente chinês pede à Rússia e outros países que trabalhem para prevenir "revoluções coloridas"

Presidente da China, Xi Jinping, participa da cúpula da Organização para Cooperação de Xangai

PEQUIM (Reuters) - O presidente da China, Xi Jinping, pediu nesta sexta-feira que a Rússia e outros membros de um grupo regional se apoiem mutuamente para impedir que potências estrangeiras instiguem "revoluções coloridas" --levantes populares que abalaram ex-nações comunistas-- em seus países.

Falando no Uzbequistão em uma cúpula da Organização para Cooperação de Xangai, um grupo de segurança liderado pela China e pela Rússia, Xi disse que os países membros devem apoiar os esforços uns dos outros para salvaguardar seus próprios interesses de segurança e desenvolvimento.

Xi não mencionou a Ucrânia, que a Rússia invadiu em fevereiro no que o presidente russo, Vladimir Putin, chama de "operação militar especial" para proteger os falantes de russo do "genocídio" do governo ucraniano, uma alegação rejeitada pela Ucrânia.

Ele também disse que a China treinará 2.000 policiais dos países membros nos próximos cinco anos e estabelecerá uma base de treinamento com foco no trabalho antiterrorismo.

Xi convidou os países-membros a se inscreverem na Iniciativa de Segurança Global da China, um conceito que ele propôs em abril que inclui a ideia de que nenhum país deve fortalecer sua própria segurança às custas de outros.

A China fornecerá 1,5 bilhão de iuanes (214 milhões de dólares) em grãos e outras ajudas de emergência aos países em desenvolvimento, disse Xi, acrescentando que a economia chinesa é resiliente e "cheia de potencial".

A economia da China escapou por pouco de uma contração no trimestre de abril a junho, prejudicada pelos lockdowns de cidades por Covid-19, uma desaceleração profunda no mercado imobiliário e gastos do consumidor persistentemente fracos.

(Reportagem de Yew Lun Tian e Ryan Woo)