Presidente do conselho de secretários de Saúde diz que há risco de não haver seringas para vacinação

MARCELO ROCHA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Carlos Lula, afirmou nesta quarta-feira (30) que o Ministério da Saúde demorou a se mexer e o país corre o risco de ter vacina, mas não ter seringas e agulhas. "O ministério demorou muito nesta aquisição, que já era para ter acontecido", disse Lula. "A gente vai acabar não encontrando porque a gente não tem a produção adequada para essa quantidade de demanda, e isso a gente sabe há meses." Nesta terça-feira (30), o ministério realizou um pregão para tentar adquirir 331 milhões seringas e agulhas, mas as negociações fracassaram. A pasta conseguiu fornecedor apenas para 7,9 milhões, menos de 3% do previsto. O preço cobrado pelas empresas ficou acima do valor estimado pelos técnicos do governo federal, o que frustrou o pregão. Lula disse que é hora de os técnicos do ministério se reunirem com a indústria nacional para discutir o assunto. "Talvez pontuar a necessidade de a gente não exportar agulha e seringa agora, igual ao que foi feito em relação aos respiradores", afirmou. O presidente do Conass defendeu até a requisição administrativa se houver recusa injustificada por parte das empresas em fazer essa entrega ao ministério. Ele frisou ainda que, a exemplo dos respirados nos primeiros meses da pandemia, a compra de seringas e agulhas deve ocorrer de forma centralizada "e não numa disputa entre os estados e os municípios". Em nota divulgada nesta quarta, o ministério afirmou que espera fechar o contrato para o fornecimento das 7,9 milhões seringas e agulhas em janeiro. Esse montante faz parte de um lote de 31 milhões de unidades. "[A contratação] ainda carece de avaliação da documentação de habilitação técnica, bem como validação da proposta pela área demandante", informou. A pasta não comentou o que pretende fazer em relação aos outros três lotes previstos no edital, totalizando 300 milhões seringas e agulhas. "Os itens 1, 2, e 3 restaram fracassados porque os lances ofertados pelos licitantes ficaram superiores ao preço estimado pelo Ministério da Saúde e mesmo com tentativas de negociação não foi possível chegar ao valor estabelecido", afirmou. Lula disse que o Brasil sempre foi referência em programas de imunização. "Infelizmente, a gente acabou ficando atrás na vacinação contra a Covid-19, inclusive em relação ao insumos necessários para que a vacinação ocorra."