Presidente da Alerj é operado para retirar tumores da bexiga

Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil

Jorge Picciani deve voltar para casa quinta-feira e ficar em recuperação por cerca de duas semanas, Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

O presidente licenciadoda Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), foi submetido nesta terça-feira (11) a uma cirurgia para retirada de dois tumores na bexiga. Em discurso no plenário da Alerj, o deputado Rafael Picciani (PMDB), filho de Jorge Picciani, disse que o pai passa bem.

O primeiro  tumor tinha cerca de 15 milímetros e estava localizado no mesmo órgão em que o parlamentar teve um câncer no fim do ano de 2010. O anúncio de que o parlamentar tinha um tumor foi feito no início deste mês. Picciani foi internado para a retirada desse tumor, localizado na região da bexiga, mas, durante o exame que antecedeu a cirurgia, os médicos descobriram outro tumor, que também foi retirado hoje. Feita por meio de videolaparoscopia, a operação,durou cerca de quatro horas.

Jorge Picciani deve voltar para casa na quinta-feira (13) e ficar em recuperação por pelo menos duas semanas. O tempo de recuperação e a licença de Picciani na Alerj serão definidos após biópsia. A videolaparoscopia é um procedimento de endoscopia no qual se visualiza a cavidade abdominal por meio de uma videocâmara e em que é possível também fazer a intervenção cirúrgica.

A assesssoria de comunicação da Alerj informou que a licença de Picciani começou nesta terça-feira, quando a presidência passou a ser ocupado pelo 2º vice-presidente, André Ceciliano (PT), porque o 1º vice-presidente, Wagner Montes (PRB), está de licença. Picciani preside a Alerj desde fevereiro de 2015. Anteriormente, ocupou o mesmo cargo em quatro mandatos consecutivos entre 2003 e 2010.

No dia 29 de março, após ser alvo de mandado de condução coercitiva, o deputado prestou depoimento na Polícia Federal dentro da Operação Quinto do Ouro, que descobriu um esquema de propinas pago a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), que levou à prisão de cinco dos sete conselheiros do tribunal.

No dia seguinte ao depoimento, em discurso na Alerj, Picciani negou qualquer participação no esquema investigado pela Operação Quinto do Ouro.