Presidente da Ambev renuncia; cervejaria terá novo comando a partir de janeiro de 2020

O Globo, com agências
Foto: REUTERS/Paulo Whitaker

A Ambev anunciou na segunda-feira que o presidente-executivo da companhia, Bernardo Paiva, decidiu deixar a maior cervejaria da América Latina para buscar projetos pessoais, conforme antecipou o colunista do GLOBO, Lauro Jardim.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

Em comunicado ao mercado, a Ambev afirma que o posto será ocupado pelo atual diretor de vendas e marketing, Jean Jereissati Neto, que acumulará a função, a partir de 1 de janeiro de 2020.

Leia também

Benardo Paiva, engenheiro, está na Ambev há 28 anos. Ele começou a trabalhar na cervejaria em 1991 como gerente trainee e ocupava a presidência-executiva da companhia desde 2015. Foi nomeado presidente da América do Norte em 2008; presidente da América Latina Sul em 2009; diretor de vendas da ABI em 2012; e diretor-presidente em 2014.

Jereissati Neto é administrador formado pela Fundação Getúlio Vargas e ingressou na Ambev em 2000. Ele já ocupou funções de diretor geral para América Central e Caribe e diretor geral da Ásia e Pacífico Norte na Anheuser-Busch InBev, controladora da Ambev.

A mudança na gestão da companhia acontece em um momento em que a Ambev tem enfrentado competição ferrenha no Brasil, em um ambiente de economia fraca qu tem pressionado as vendas da companhia.

No fim de outubro, o vice-presidente financeiro da Ambev, Fernando Tennenbaum, afirmou que descontos promovidos por alguns competidores e o aumento nos custos de produção contribuíram para uma queda nos volumes de venda de cerveja da empresa no terceiro trimestre.

A companhia reajustou preços em julho, o que não foi seguido pelas concorrentes. Outras cervejarias, ao contrário, fizeram promoções de suas marcas, o que contribui para uma redução na participação de mercado da Ambev no Brasil. Entre as rivais da companhia no país estão a Heineken.

As vendas de cerveja caíram 2,8%, em volume, com relação a um ano antes. O lucro líquido consolidado no terceiro trimestre caiu 11,5%, para R$ 2,5 bilhões, enquanto a receita líquida total cresceu 8%. Mas, após apresentar os resultados, as ações das ações da Ambev caíram 8,29%.

A queda contou com a contribuição de números piores do segmento de cervejas no Brasil. Em um só dia, a maior cervejaria do país perdeu R$ 25 bilhões em valor de mercado.