Presidente da Caixa falou em 'pegar em armas' caso filha fosse detida por desrespeitar isolamento social

Gabriela Oliva
Na foto, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães Foto: Jorge William / Agência O Globo

RIO - O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Duarte Guimarães, disse que, se um policial prendesse sua filha por ir à praia, iria revidar e poderia “matar ou morrer”. A fala foi dada durante a reunião ministerial divulgada pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira (22).

O presidente do banco estatal fez o comentário ao abordar o caso do deputado federal Luiz Lima (PSL-RJ), que teve a mulher e a filha detidas por desrespeitarem a quarentena, sendo flagradas nadando no dia 21 de abril, na praia de Copacabana.

“Que porra é essa? O cara vai pro camburão com a filha. Se fosse eu, ia pegar minhas quinze armas e .. . ia dar uma ... eu ia se ... eu ia morrer. Porque se a minha filha fosse pro camburão, eu ia matar ou morrer. Que isso? Tava nadando na ... na ... é uma atleta olímpica. Você tira a pessoa, a pessoa tá nadando com catorze anos. Eu tenho uma filha Maria de catorze anos. Se a minha filha fosse pro camburão ou eu matava ou morria. Que isso?”, afirmou.