Presidente da CBF deve ir à Europa em busca de um novo técnico, diz site

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Ednaldo Rodrigues deve rumar em direção a Europa nas próximas semanas para buscar um novo técnico para a seleção. A entidade tem como prioridade um treinador europeu para substituir Tite e busca um nome incontestável, segundo o UOL.


Ednaldo possui alguns nomes de técnicos estrangeiros em pauta, mas não vê nenhum como unanimidade na seleção. A preferência do cartola é por alguém que fale português ou espanhol para facilitar a comunicação com os jogadores.

Carlo Ancelotti e Pep Guardiola, outrora especulados, estão descartados, já que ambos querem cumprir contrato com Real Madrid e Manchester City, respectivamente. A preferência por estrangeiros não descarta a vinda de algum técnico nacional ou que atue no país, como o caso de Abel Ferreira, que não foi convidado pela confederação.

Segundo o portal, os nomes mais cotados como Fernando Diniz, Dorival Júnior, Cuca e Mano Menezes não foram procurados até agora. Além disso, a CBF acredita que nenhum deles teria grande aceitação, como foi com o Tite. Ednaldo quer definir um nome em fevereiro, já que a data Fifa é no final de Março.

— Não esperamos ter treinador interino. Esperamos um definitivo. As datas-Fifa em março devem ser com treinador definido, mas vamos buscar a qualificação que colocamos como pré-requisito. O tempo é o necessário. Eu, sinceramente, penso que pode acontecer isso [técnico interino na data-Fifa]. Mas pretendo ter técnico definitivo em março, não um provisório para depois substituir. Acho que conseguiremos nesse período — disse Ednaldo Rodrigues.

O pentacampeão mundial com o Brasil, Ronaldo Fenômeno se disponibilizou para ajudar a confederação em busca de um novo comandante. Já que o sócio majoritário da SAF do Cruzeiro possui contato com os técnicos mais consagrados, o que é desejo de Ednaldo. No entanto, Ronaldo ainda não foi procurado.

A era Tite na seleção brasileira chegou ao fim na última terça-feira. O treinador de 61 anos fez o que já era conhecido desde a eliminação do Brasil na Copa do Mundo para a Croácia, nas quartas de final, em disputa de pênaltis e assinou a rescisão de contrato, após voltar das férias.