Presidente da Colômbia decreta 'desastre' nacional por chuvas e escassez de alimentos

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, decretou nesta terça-feira (1º) situação de "desastre" nacional devido à quantidade de chuvas, a mais alta em quatro décadas, responsável por dezenas de mortes e a perda de safras de alimentos durante o ano.

Os níveis de chuva registrados em 2022 "são os mais altos nos últimos 40 anos", disse Petro aos jornalistas em Bogotá. Segundo o presidente, as precipitações já deixaram 266 mortos e ao menos 800 municípios afetados.

Também "há uma perda ostensiva de colheitas que agrava a situação dos preços dos alimentos", que já vinham em alta pela inflação e a desvalorização da moeda local frente ao dólar.

O governo culpa o fenômeno La Niña, causado pelo resfriamento cíclico do Oceano Pacífico, e à mudança climática pela quantidade incomum de chuva que caiu no país.

Com a declaração de emergência, Petro pretende entregar cerca de 100 dólares mensais, metade de um salário-mínimo, às mães que são chefes de família para que alimentem seus filhos. Também prevê subsidiar 100% dos fertilizantes para os camponeses.

Além disso, Petro ordenou a criação de "comitês" contra a fome dedicados a oferecer as três refeições do dia para moradores de bairros e zonas rurais afetadas pelas inundações e pela perda de plantações.

A Colômbia registrou em setembro inflação de 11,4% a 12 meses, a mais alta nos últimos 23 anos. Os alimentos foram os produtos que mais encareceram.

das/db/rpr/mvv