Guatemala proíbe protestos opositores e cita pandemia

·2 minuto de leitura
(Arquivo) O presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei

O presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, anunciou nesta segunda-feira (12) que a proibição dos protestos que exigem a sua renúncia, argumentando que os mesmos aumentam a transmissão do novo coronavírus, no momento em que vários países da região enfrentam crises.

"Minha denúncia é contra essa gente que promove que o vírus se torne mais galopante, que é o que elas querem, e promovem através de uma série de manifestações ilegais", disse Giammattei durante visita ao departamento de Petén. A proibição será emitida nesta terça-feira, com a instauração do estado de prevenção, que permite ao governo usar a força para dissolver manifestações e reuniões.

O anúncio é feito no momento em que alguns países latino-americanos são afetados por crises políticas ou econômicas, em meio ao aumento dos casos de Covid-19 e à falta de alimentos.

“No Conselho de Ministros, iremos emitir um estado de prevenção a todo o país, em que iremos limitar esse tipo de coisa. Acho que já basta, foi suficiente", advertiu o presidente, de direita.

Giammattei se dirigia aos cidadãos que se reúnem aos sábados no centro da capital para pedir a sua renúncia, acusando-o de má gestão dos recursos destinados ao atendimento da pandemia, atraso na chegada de vacinas contra a Covid e falta de remédios nos hospitais, entre outras reivindicações.

A maior manifestação contra Giammattei ocorreu em novembro passado, quando um grupo de encapuzados incendiou parte do Congresso para rejeitar a aprovação do orçamento de 2021 que, segundo seus críticos, não contemplava os principais problemas do país, como pobreza e desnutrição infantil.

O vice-presidente Guillermo Castillo, que teve desacordos abertos com Giammattei sobre a direção do governo, disse que limitar os protestos "não é a solução" para a pandemia.

“Quando você constrói confiança, as manifestações não devem ser motivo de preocupação”, disse Castillo.

“A manifestação é um direito da cidadania. O governo guatemalteco continua com a intenção de restringir direitos implementando estados de exceção. Mais uma vez fica claro que não há capacidade de governar sem restringir”, declarou o ombusdman, Jordán Rodas, sobre a advertência do presidente.

hma/mav/lda/lb/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos