Presidente da Guiné Equatorial, líder mais antigo do mundo, quer ampliar mandato

DACAR (Reuters) - O líder mais antigo do mundo, o presidente Teodoro Obiang, da Guiné Equatorial, organizou uma votação no domingo para estender seu governo de 43 anos do pequeno e autoritário Estado africano, onde a outrora abundante riqueza do petróleo está em rápido declínio.

"O que você semeia é o que você colhe", disse Obiang, 80, que obteve regularmente mais de 90% dos votos nas eleições realizadas ao longo de cinco mandatos desde que tomou o poder de seu tio em um golpe em 1979.

“Tenho certeza que a vitória será do PDGE”, disse, referindo-se ao seu partido.

Dois candidatos da oposição estão concorrendo: Buenaventura Monsuy Asumu, que já concorreu nas cinco eleições anteriores, e Andrés Esono Ondo, uma figura da oposição concorrendo pela primeira vez.

"É uma fraude total", disse Esono Ondo à Reuters por telefone, dizendo que seu partido contestará o resultado no tribunal.

Ele disse que aparentemente havia votação justa ocorrendo na capital, Malabo, mas seu partido tem evidências de que autoridades em outros locais estavam votando em nome dos eleitores ou forçando-os a votar no partido governista.

O governo e funcionários da direção eleitoral da Guiné Equatorial não foram encontrados para comentar.

Maja Bovcon, analista sênior para África na empresa de inteligência de risco Verisk Maplecroft, disse que o resultado da eleição não tem dúvidas: "O fechamento das fronteiras e o assédio e prisões de apoiadores da oposição abriram caminho para a extensão do mandato de 43 anos de Obiang."

Os Estados Unidos e a União Européia pediram eleições livres e justas e expressaram preocupação com relatos de assédio e intimidação da oposição e de grupos da sociedade civil. O governo rejeitou as acusações como interferência em seu processo eleitoral.

Encerrando sua campanha na sexta-feira, Obiang disse que decidiu antecipar as eleições presidenciais em vários meses e realizá-las juntamente com as eleições legislativas e municipais, para economizar dinheiro devido à crise econômica.

A produção de petróleo e gás representa cerca de três quartos das receitas do Estado membro da OPEP. Mas a produção diminuiu nos últimos anos para cerca de 93.000 barris por dia (bpd), de cerca de 160.000 bpd em 2015, à medida que os campos de petróleo se esgotam.

Mais de 400.000 pessoas se registraram para votar no país de cerca de 1,5 milhão. Os eleitores também votarão para eleger 100 membros do parlamento para a câmara baixa, 55 dos 70 senadores do país e prefeitos locais.

(Por Bate Felix)