Presidente da Interpol investigado pela justiça francesa

O Presidente da Interpol está a ser investigado pela justiça francesa, por alegada cumplicidade com atos de tortura, depois de uma denúncia feita por dois cidadãos britânicos. Matthew Hedges e Ali Issa Ahmad vão apresentar provas contra o general Ahmed Nasser al-Raisi, esta quarta-feira, no tribunal de Paris.

Matthew Hedges é estudante universitário, especialista em assuntos dos Emirados Árabes Unidos. Em 2018, foi acusado de espionagem durante uma viagem aos Emirados e acabou por ser preso, alegando ter sido alvo de tortura. Nesse ano, foi condenado a prisão perpétua, decisão depois revertida por pressão internacional.

Já Ali Issa Ahmad, segurança de profissão, foi preso, em 2019, enquanto assistia a um jogo de futebol e apoiava a equipa rival dos Emirados Árabes Unidos. Ele diz ter sido espancado e esfaqueado pelas autoridades.

Recorde-se que o general Ahmed Nasser al-Raisi foi eleito Presidente da Interpol em Novembro do ano passado, apesar das denúncias de tortura que recaíam sobre ele tanto em França como na Turquia.

A organização internacional de polícia está sediada em Lyon, em França, o que dá à justiça francesa poder para agir neste caso. A abertura oficial de um processo contra o número um da Interpol pode significar a demissão de Al-Raisi, que ainda não reagiu.

De salientar que o cargo de Presidente da Interpol é essencialmente honorário, uma vez que o verdadeiro chefe da organização é o secretário-geral, Jürgen Stock, que foi conduzido para um segundo mandato de cinco anos em 2019.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos