Presidente da Liesa diz que não tem como barrar Antonia Fontenelle na Sapucaí: 'Não tenho esse poder'

O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio (Liesa), Jorge Perlingeiro, disse nesta quarta-feira que não tem como barrar a youtuber Antonia Fontenelle na Marquês de Sapucaí no próximo carnaval. A influenciadora virou alvo de polêmica após comparar, em tom jocoso, o figurino da primeira-dama Rosângela Lula da Silva, a Janja, com as roupas da velha-guarda da escola Imperatriz Leopoldinense.

Helô Rocha: quem é a estilista que vestiu Janja para a posse

Janja usa look simbólico na posse: 'Estar de terno a coloca lado a lado com Lula como uma primeira-dama ativa', diz consultora de moda

— Não tenho esse poder. Se ela for convidada de algum camarote ou comprar ingresso, não tenho como fazer isso. Se não tiver um mandado contra ela, nem a polícia tem — disse Perlingeiro, criticando a dimensão que o assunto tomou nos últimos dias — Ela nunca teve tanta mídia quanto está tendo agora. Vamos falar das coisas boas do carnaval que está chegando.

Ele disse ainda que, desde que está à frente da Liesa, Fontenelle nunca pediu credenciamento para o Sambódromo. Mas, caso isso acontecesse, a tendência seria negar a solicitação.

Carnaval 2023: ainda há ingressos de arquibancadas para todos os dias de desfiles na Sapucaí

— Não existe nada concreto. Mas se ela pedir, provavelmente eu vou negar atendendo a um pedido da escola. A Imperatriz é uma escola filiada à Liesa. Sou presidente da entidade e tenho que zelar pelas 12 agremiações — defendeu, comentando as falas de Fontenelle — Não gostei do que ouvi. Ela falou de uma maneira chula e vulgar.

Em uma nota divulgada mais cedo, o Rio Carnaval, representado pela Liga Independente das Escolas de Samba do Rio (Liesa), divulgou uma nota dizendo que "repudia os comentários depreciativos dirigidos no último domingo, 1º, contra a Imperatriz Leopoldinense e sua Velha Guarda. Inserida no contexto das 12 agremiações do Grupo Especial do Rio, a verde e branca do bairro de Ramos é merecedora de respeito e deferência".

Entenda a polêmica

No domingo, dia da posse do presidente Lula, a youtuber Antonia Fontenelle fez o seguinte comentário sobre a roupa da primeira-dama Janja na cerimônia — um terninho, conjunto de pantalona, colete e blazer estruturado de seda, bordado com fibras naturais, assinado pela estilista Helô Rocha.

"Escola apática, nem fede, nem cheira. É a Imperatriz Leopoldinense. Nem é a velha guarda da Mangueira, da Mocidade ou da Grande Rio", escreveu.

A fala causou mal-estar, logo gerou repercussão e a escola de Ramos se pronunciou. Ao tomar conhecimento da comparação, a presidente da Imperatriz Leopoldinense, Cátia Drumond, enviou ofício para a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) pedindo que Fontenelle não seja credenciada para qualquer finalidade ou função nas apresentações do Rio e convidou a primeira-dama para desfilar no carnaval. Este ano a escola tem como enredo “O aperreio do cabra que o excomungado tratou com má-querença e o santíssimo não deu guarida”, do carnavalesco Leandro Vieira, que tem inspiração na figura de Lampião a partir de fábulas da literatura de cordel.

Análise: Lu Alckmin ganha elogios com seu 'cape dress', considerado 'clássico chique'

"Após os ataques à primeira-dama do Brasil e à nossa agremiação, convidamos publicamente a querida @janjalula para desfilar como madrinha de nossa galeria da velha-guarda no carnaval de 2023".

Em nota, a escola também repudiou a fala da youtuber e frisou que os "ataques infundados de quem desconhece a história do carnaval atingem não somente à agremiação, mas, sobretudo, nossa comunidade, torcedores, componentes e, consequentemente, todo o mundo do samba".

Bela Megale: Por que Janja decidiu não usar vermelho na posse de Lula

Na posse do presidente Lula, Janja usou um conjunto de pantalona, colete e blazer estruturado de seda, bordado com fibras naturais, look assinado pela estilista Helô Rocha.

Apoio no mundo do samba

Após a polêmica, outras agremiações prestaram apoio à Imperatriz Leopoldinense. No Instagram, a Unidos da Tijuca emitiu um comunicado oficial. "Detentora de oito títulos do carnaval carioca, a Imperatriz Leopoldinense é um dos pilares do movimento cultural que move o Rio de Janeiro e todo o mundo. Queríamos deixar nosso apoio e afirmar que estamos juntas na luta por respeito pelo nosso movimento. Contem com a nossa agremiação."

A Unidos de Vila Isabel, pelo Twitter, também prestou apoio. "Toda a solidariedade do Povo do Samba à irmã @oficialgresil"

O carnavalesco Leandro Vieira também se pronunciou em seu perfil pessoal, chamou Janja a participar do desfile e afirmou querer próximo somente "quem sabe da grandeza e respeita" as tradições.

Já a a Estação Primeira de Mangueira pediu respeito ao carnaval.

Também por meio de nota, a Portela manifestou solidariedade "à escola coirmã e à primeira-dama na certeza de que o preconceito, o racismo e a intolerância não têm lugar no carnaval, bem como em toda sociedade" e classificou os comentários de Fontenelle como "infelizes".