Presidente da Uefa não quer jogos sem público na Eurocopa, e sedes podem ser cortadas

O Globo
·1 minuto de leitura

Adiada de 2020 para 2021 por conta da pandemia do novo coronavírus, a Eurocopa segue rodeada de incertezas. Mas o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, já planeja a realização da competição, e com uma ideia ousada: não quer jogos sem público.

— Temos muitos cenários possíveis, mas a única coisa que eu garanto é que a opção de jogar qualquer partida da Euro em um estádio vazio está fora de questão — disse, em entrevista reproduzida pela emissora britânica Sky Sports.

A competição, prevista para começar em junho, experimentaria no ano passado um formato sem sede fixa. Os jogos aconteceriam em 12 cidades: Amsterdã (Holanda), Baku (Azerbaijão), Bilbao (Espanha), Bucareste (Romênia), Budapeste (Hungria), Copenhague (Dinamarca), Dublin (Irlanda), Glasgow (Escócia), Londres (Inglaterra), Munique (Alemanha), Roma (Itália) e São Petesburgo (Rússia).

— O cenário ideial seria jogar nas 12 sedes originais, mas se isso não for possível, mas se não for possível, então vamos com 10 ou 11 países, caso alguns não cheguem aos requisitos.