Presidente de Portugal condena ataque racista a filhos de Ewbank: "Inadmissível"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, em registro de 2020 (Foto: Jorge Mantilla/NurPhoto via Getty Images)
Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, em registro de 2020 (Foto: Jorge Mantilla/NurPhoto via Getty Images)

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, comentou o caso de racismo envolvendo Chissomo e Blessings, filhos dos atores Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso. As crianças foram alvo do ataque cometido por uma mulher de 57 anos, que frequentava o mesmo restaurante em que a família estava no último sábado (30) em Costa da Caparica, em Lisboa.

“Todo ato de racismo ou xenofobia é condenável e intolerável”, disse Rebelo de Souza em entrevista à coluna Portugal Giro, do jornal "O Globo". “Isso é o básico em uma democracia. É inadmissível”.

O presidente português pediu para não generalizarem a população inteira do país como racista por conta do crime. “O racismo é um fenômeno que existe na sociedade portuguesa, não negamos isso, mas não é possível generalizar a todo português”, declarou. “Não pode ser generalizado, dizendo que todo português é racista ou que há uma campanha contra os brasileiros.

Rebelo de Souza diz que se Portugal fosse um país racista, não receberia tantos turistas brasileiros. “Do contrário, não explicava a vinda de uma imensa comunidade brasileira. Ninguém é sadomasoquista. Se achassem que não se sentiam bem em Portugal, não vinham”, justificou.

Na entrevista, ele ainda mencionou o número de brasileiros que estão deixando o país para morar em Portugal: “Não há nenhuma coisa contra o brasileiro. Há um fenômeno nunca antes existente de imigração do Brasil para Portugal e é transversal a todas as classes econômicas. E a grande maioria é trabalhadora por conta de empresas, não são independentes”.

“Estão chegando e se integrando em um ritmo impressionante. É uma população que, acima dos 200 mil, ninguém sabe quanto são, porque há brasileiros chegando todos os dias. Participam de forma intensa da sociedade portuguesa. Se há um fenômeno interessante, do ponto de vista cultural e político, é o peso desta comunidade na sociedade portuguesa”, completou

Entenda o caso

Os filhos de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank foram vítimas de racismo cometido por uma mulher em um restaurante em Portugal, no último sábado (31). O caso repercutiu na mídia após um vídeo de Giovanna discutindo com a mulher ser publicado nas redes sociais.

Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank em entrevista ao programa
Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank em entrevista ao programa "Fantástico", da Globo. (Foto: Reprodução/Globoplay)

Os artistas explicaram que Ewbank enfrentou a mulher enquanto Bruno acionou a polícia local. Maria Adélia Coutinho Freire de Andrade de Barros, uma mulher branca de 57 anos, foi escoltada pelos oficiais e acabou detida, mas já está em liberdade. As autoridades confirmaram ao Jornal Hoje que vão dar início a uma investigação.

Além de proferir ofensas racistas ao filho dos atores, ela também atacou cerca de 15 turistas angolanos que estavam no restaurante. A mulher pode ser condenada e pegar uma pena, que varia entre 6 meses e 5 anos de prisão, segundo a legislação do país.

“Estamos cuidando dos nossos filhos, nos cuidando e tomando todas as providências possíveis. Somos conscientes de todos os nossos privilégios e sabemos (sabemos mesmo) que apenas por sermos brancos tivemos tamanha comoção”, escreveu o casal em postagem no Instagram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos