Presidente deposto do Sri Lanka diz que “tomou todas as medidas possíveis” para evitar crise

Patrulha de segurança nas instalações do edifício do Parlamento do Sri Lanka, em Colombo

Por Uditha Jayasinghe e Devjyot Ghoshal

COLOMBO (Reuters) - O presidente deposto do Sri Lanka, que fugiu para o exterior nesta semana para escapar de um levante popular contra seu governo, disse que tomou "todas as medidas possíveis" para evitar a crise econômica que assola o país.

A renúncia de Gotabaya Rajapaksa foi aceita pelo parlamento na sexta-feira. Ele voou para as Maldivas e depois para Cingapura após centenas de milhares de manifestantes contra o governo saírem às ruas de Colombo, há uma semana, e ocuparem residência e gabinete oficiais.

O parlamento do Sri Lanka se reuniu neste sábado para iniciar o processo de eleição de um novo presidente, e um carregamento de combustível chegou para fornecer algum alívio à nação atingida pela crise.

O secretário-geral do parlamento, Dhammika Dasanayake, leu formalmente a carta de renúncia de Rajapaksa, cujo conteúdo não havia sido divulgado anteriormente.

Na carta, Rajapaksa diz que a crise financeira no Sri Lanka está enraizada em anos de má gestão econômica que antecederam sua presidência e na pandemia de Covid-19, que reduziu drasticamente a chegada de turistas e trabalhadores estrangeiros no país.

O Parlamento se reunirá na próxima terça-feira para aceitar as indicações ao cargo de presidente. A votação para decidir o líder do país ocorrerá na quarta-feira.

(Por Uditha Jayasinghe e Devjyot Ghoshal em Colombo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos