Presidente do STM menospreza áudios da ditadura: “Simplesmente ignoramos”

·2 min de leitura
Luis Carlos Gomes Mattos, presidente do Superior Tribunal Militar, afirmou que Corte ignorou áudios da ditadura (Foto: Reprodução)
Luis Carlos Gomes Mattos, presidente do Superior Tribunal Militar, afirmou que Corte ignorou áudios da ditadura (Foto: Reprodução)

Resumo da notícia

  • Presidente do STM afirmou que revelação de áudios da ditadura foi ignorado pela Corte

  • Luis Carlos Gomes Mattos declarou que áudios foram divulgados para minar imagem dos militares

  • Gravações mostram que STM sabia de torturas na ditadura

O presidente do Superior Tribunal Militar (STM), Luis Carlos Gomes Mattos, declarou que a Corte “simplesmente ignorou” a revelação de áudios do tribunal da época da ditadura militar. As gravações mostravam que o STM sabia das torturas praticadas contra opositores do regime e, em algumas ocasiões, chegaram a fazer piadas com a situação.

Mattos afirmou ainda que a revelação dos áudios faria parte de uma tentativa de descredibilizar as Forças Armadas e os militares.

“Tivemos aí alguns comentários contra o nosso tribunal e contra a Justiça Militar de maneira geral. O coronel Campos, que é o nosso ascom (assessor de comunicação), me passou tudo que aconteceu e somos absolutamente transparentes no nosso julgamento. A gente já sabe os motivos do porque isso vem acontecendo agora, nesses últimos dias, seguidamente por várias direções, querendo atingir Forças Armadas, o Exército, a Marinha, a Aeronáutica, nós, que somos quem cuida da disciplina, hierarquia, que são nossos pilares”, declarou.

O historiador e pesquisador Carlos Fico foi o responsável por apresentar os áudios para a jornalista Miriam Leitão, que publicou as gravações no jornal O Globo. O pesquisador conseguiu os áudios por meio de uma decisão do Supremo Tribunal Federal e decidiu repassa-los para a jornalista após Eduardo Bolsonaro (PL-SP) ironizar a tortura sofrida por Miriam Leitão durante a ditadura militar.

Segundo Luis Carlos Gomes Mattos, a revelação dos áudios “não estragou a Páscoa” dos membros do Superior Tribunal Militar.

“Não tenho resposta nenhuma, simplesmente ignoramos uma notícia tendenciosa daquelas – e que nós sabemos o motivo. Aconteceu durante a Páscoa, garanto que não estragou a Páscoa de ninguém. A gente apenas fica incomodado que vira e mexe tem... Não tem nada pra buscar, agora vão rebuscar o passado. Só varrem um lado, não varrem o outro. Deixam pra lá”, afirmou o presidente do STM.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos