Presidente do Equador se reúne com indígenas e prefeitos no quinto dia de protestos

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, recebeu nesta sexta-feira um pequeno grupo de indígenas na sede do governo, para tentar encerrar os protestos que há cinco dias bloqueiam os acessos a Quito exigindo a redução dos preços dos combustíveis.

Uma fumaça preta produzida por pneus incendiados por manifestantes se elevava sobre a "Rota Viva", uma das vias de acesso ao aeroporto internacional de Quito, que mantém suas operações.

Lasso, um ex-banqueiro de direita que assumiu o cargo há um ano, recebeu uma centena de indígenas da província de Cotopaxi (sul) residentes em Quito. "Não queremos derramamento de sangue, mais vandalismo, mais violência. O Equador é um país de paz", manifestou o secretário da organização indígena Unoric, César Pérez, após os confrontos dos últimos dias entre manifestantes e policiais.

A mais alta organização indígena, Conaie, afirma que manterá os protestos até que o governo atenda a uma lista de 10 demandas, que incluem a regulação do preço dos produtos agrícolas e a renegociação de dívidas bancárias de 4 milhões de famílias.

- Sem diálogo -

A Conaie, que participou de revoltas que derrubaram três presidentes entre 1997 e 2005, expressou nesta sexta-feira, por meio do seu responsável, Leonidas Iza, que, do seu lado, "não há nenhum diálogo" com o Executivo. Em 2019, a organização liderou protestos violentos contra o governo, que deixaram 11 mortos e mais de 1.000 feridos.

O presidente do Equador também se reuniu hoje com prefeitos e governadores provinciais para discutir a situação.

Os cultivadores e exportadores de flores, um dos principais produtos vendidos pelo país, denunciaram no Twitter que, por causa dos bloqueios de estradas, “a produção está se perdendo, as flores APODRECEM". O Ministério da Produção estima que os protestos já causaram um prejuízo de 50 milhões de dólares.

Lasso fez hoje um novo pedido de diálogo, que a Igreja, a ONU e universidades se ofereceram para mediar. "Essa é a forma que, dentro do Estado de Direito, do respeito à lei e à Constituição, podem-se resolver os problemas que se acumularam ao longo de décadas no Equador", manifestou o governante ao receber a Unoric.

- Protestos sem vandalismo -

A Conaie também pede o fim da violência nos protestos, que já deixaram 10 soldados e oito policiais feridos, além de 29 manifestantes detidos. Os indígenas relataram 14 feridos em incidentes.

"Não se pode aceitar o vandalismo, o confronto, a violência", declarou Leonidas Iza, oriundo de Cotopaxi. O dirigente, que será julgado pela paralisação de serviços públicos durante os protestos, assinalou: "Nós nos preparamos para trasladar nossas delegações e acompanhar as passeatas" que estudantes, trabalhadores e professores realizam em Quito juntamente com os bloqueios de estradas pelos indígenas."

O movimento indígena "tem pouco poder politicamente, mas, em termos de um ator social que incide desde a política informal, é muito forte, principalmente na serra andina", explicou à AFP Simón Pachano, cientista político da Faculdade Latino-Americana. de Ciências Sociais (Flacso).

Para conter as manifestações, disse Pachano, o governo deve "ter uma política social clara, que atenda aos setores mais necessitados. O grande vazio do governo é que ele não tem uma gestão política, não sabe o que é política", destacou o analista.

pld-sp/lbc/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos