Presidente de instituto do PSDB diz que o partido não deve fazer oposição a Bolsonaro

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  25-09-2018 - O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), vice presidente do senado, durante entrevista exclusiva em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 25-09-2018 - O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), vice presidente do senado, durante entrevista exclusiva em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Presidente do Instituto Teotônio Vilela, o deputado tucano Pedro Cunha Lima (PB) disse não concordar com a decisão da Executiva Nacional do PSDB de se colocar formalmente como oposição a Jair Bolsonaro.

O instituto é um tradicional centro de formação política do partido, que já teve como presidentes José Aníbal e Tasso Jereissati.

Em entrevista à Rádio Correio FM, Cunha Lima afirmou que tem um posicionamento de criticar o que vê que está errado, mas de apoiar o que acredita que faz bem ao Brasil.

"Não penso que fazer uma oposição sistemática a Bolsonaro, ao modelo que o PT faz, seja o papel que eu deva cumprir. Claro que o governo merece críticas em vários pontos. A condução na pandemia merece uma crítica e a gestão que o governo faz na educação não é eficiente. De resto, não vou fazer oposição de quanto pior, melhor", afirmou o parlamentar.

A sigla vinha tendo posição dúbia com relação ao governo, mas decidiu aderir à oposição após as falas de caráter golpista de Bolsonaro nos atos do 7 de setembro. Oficialmente, se declarava independente.

Os tucanos decidiram ainda aderir à frente de oposição do centro democrático, com partidos como DEM, MDB e Cidadania. A decisão foi tomada por unanimidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos