Presidente interina da Bolívia anuncia que disputará eleição

***FOTO DE ARQUIVO*** LA PAZ, BOLÍVIA, 17.11.2019 - A presidente autoproclamada da Bolívia, Jeanine Añez, em coletiva no Palácio Quemado, sede do governo da Bolívia, localizado na Praça Murillo, em La Paz, para falar sobre o desabastecimento que se passa na cidade. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A presidente interina da Bolívia, Jeanine Añez, anunciou nesta sexta-feira (24) sua candidatura à Presidência nas eleições do próximo dia 3 de maio, uma possibilidade que já provocava críticas da oposição.

"Não estava nos meus planos", disse Añez no evento em La Paz em que foi lançada a sua coalizão, "Juntos". 

Embora já tivesse sugerido no passado que não concorreria, a líder interina justificou sua decisão dizendo que queria ajudar a unir um eleitorado fragmentado num país profundamente dividido pela polarização política.

"A dispersão de votos e os candidatos que falham em unir os bolivianos me levaram a tomar essa decisão", afirmou Añez em uma reunião de seu partido, o Movimento Democrático Social.

"Respeitamos a decisão daqueles que ainda não aderiram. Estendo a mão para eles e garanto que a porta permanece aberta para se juntar a essa frente ampla e diversificada que busca trabalhar para todos".

Añez assumiu a Presidência em novembro, invocando uma cláusula constitucional que ditava que ela seria a próxima na sucessão para governar como líder interina depois que o ex-presidente Evo Morales, o ex-vice-presidente Álvaro García Linera e outros parlamentares, incluindo a presidente do Senado, renunciaram.

Seu governo conservador logo se afastou das políticas de Evo, com o rompimento da relação com países tradicionalmente aliados, como Cuba e Venezuela, e a aproximação com os Estados Unidos.

Añez, 52, dona de um canal de TV e advogada antes de entrar para a política, é uma forte opositora de Evo.

O ex-presidente, em resposta, critica frequentemente seu governo devido ao uso excessivo de força militar para reprimir protestos, muitos deles organizados por indígenas.

A presidente interina havia afirmado anteriormente que não seria correto disputar as eleições. Ela disse neste mês que estava focada em unir a fragmentada oposição a Evo, que, embora não seja candidato, dirige a campanha de seu partido, o MAS (Movimento ao Socialismo).

Na quarta-feira (22), alguns de seus ministros já aventavam a possibilidade da candidatura. Vários deles publicaram mensagens em redes sociais com a hastag  "#YSiFueraElla?" ("E se fosse ela?"). 

Sob a liderança de Añez, o governo interino diminuiu a tensão no país, que viu dezenas de mortos em manifestações nas ruas no final do ano passado, estabeleceu um novo tribunal eleitoral e abriu caminho para novas eleições, a serem realizadas em 3 de maio.

Evo, primeiro presidente indígena do país, atualmente vive na Argentina na condição de refugiado. Ele renunciou em 10 de novembro, depois que uma auditoria da OEA (Organização dos Estados Americanos) apontou irregularidades na votação de outubro.

O ex-presidente nega qualquer irregularidade e afirma que foi deposto por um golpe de Estado.

O esquerdista, impedido de concorrer nas eleições de maio, nomeou seu ex-ministro da Economia Luis Arce como candidato de seu partido, ao lado do ex-chanceler David Choquehuanca.