Presidente do México agradece EUA pelo envio de vacinas da AstraZeneca

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Os presidentes Andrés Manuel López Obrador e Joe Biden

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, agradeceu nesta sexta-feira (19) ao seu homólogo americano, Joe Biden, pela decisão de enviar milhões de doses de vacinas contra a covid-19 do laboratório AstraZeneca.

"Agradeço especialmente ao presidente Biden porque falei deste assunto há cerca de dois meses quando tivemos uma conversa telefônica e pedi a ele que nos ajudasse com doses de vacinas", disse López Obrador em sua habitual coletiva de imprensa matinal.

O presidente acrescentou que com o envio de vacinas dos Estados Unidos e com as que chegaram ao país da Rússia, China e do laboratório Pfizer, seu governo avança no plano nacional de vacinação.

"Vamos cumprir com o propósito, com a meta de ter todos os adultos idosos vacinados antes do fim de abril ao menos com uma dose", disse.

Mais tarde, o chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, disse que 2,7 milhões de doses serão enviadas ao México e chegarão ao país na próxima semana.

“O México precisa desse número para aplicar a segunda dose, pois observamos atrasos no mercado internacional ou em produtores internacionais, apesar de já termos compromissos estabelecidos”, disse Ebrard em um vídeo.

Ebrard disse que essas doses são um adiantamento das 77,4 milhões de vacinas que o México concordou em comprar do laboratório.

No dia anterior, a Casa Branca disse que planejava enviar milhões de doses da vacina contra a covid da AstraZeneca para o México e o Canadá. Essa vacina já foi aprovada nos dois países, mas aguarda a autorização da Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA).

A vacina do laboratório anglo-sueco AstraZeneca foi alvo de polêmica devido aos temores gerados em vários casos de formação de coágulos em pessoas vacinadas. Uma série de países suspendeu seu uso.

Biden e López Obrador realizaram uma reunião virtual no início de março, na qual foram abordados temas-chave da agenda bilateral, como a migração, mas também o acesso às vacinas contra a covid-19.

Com 126 milhões de habitantes, o México é o terceiro país do mundo com mais mortes por covid-19, atrás dos Estados Unidos e do Brasil, com quase 196 mil mortes desde que a pandemia foi declarada há um ano.

Até o momento, 7,16 milhões de vacinas de diferentes marcas foram recebidas, das quais já aplicou 4,73 milhões.

yug/rsr/aa/jc/mvv