Presidente do México diz que migração 'não se resolve com medidas coercitivas'

·2 minuto de leitura
O presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador em discurso na cúpula virtual sobre o clima

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, aproveitou nesta quinta-feira (22) a cúpula sobre a mudança climática organizada pelos Estados Unidos para dizer ao seu par Joe Biden que a força não resolverá o problema da migração em massa.

López Obrador declarou que os migrantes que buscam uma vida melhor são "seres excepcionais" e pediu para "ordenar os fluxos migratórios" com "humanismo". "O fenômeno migratório, como todos sabemos, não é resolvido com medidas coercitivas e sim com justiça e bem-estar", enfatizou.

O presidente mexicano, que em 2019 endureceu o controle militar em seu território para conter a migração ilegal, sob a ameaça de sanções comerciais de Washington durante o mandato de Donald Trump, acrescentou que o "desejo de superação do migrante" é fundamental no desenvolvimento das nações.

O discurso de López Obrador serviu para propor a Biden o financiamento de um plano de reflorestamento que contempla plantar 3 bilhões de árvores na região sudeste do México e nos países da América Central e que poderia gerar 1,2 milhão de empregos, de acordo com o presidente mexicano.

"Nos comprometemos a ajudar na organização produtiva e social e você, presidente Biden, poderia financiar o programa 'Semeando Vida' na Guatemala, Honduras e El Salvador", acrescentou.

A proposta mexicana contempla também que o governo americano conceda vistos de trabalho e até de residência ou dupla nacionalidade às pessoas que participarem por três anos ou mais do plano de reflorestamento.

López Obrador argumentou que no México o programa "Semeando Vida" forneceu trabalho a 450.000 agricultores, com um salário de 252 dólares mensais, e que já plantou 700 milhões de plantas.

O governo mexicano anunciou na quarta-feira que vai fortalecer sua estratégia migratória na fronteira sul centrando-se na atenção aos menores de idade, incluindo a instalação de refúgios para abrigá-los.

As novas políticas migratórias implementadas pelo governo de Biden dispararam o número de migrantes sem documentos, majoritariamente centro-americanos, que buscam entrar nesse país atravessando o território mexicano.

Convencidos de que receberão um tratamento "mais humano" após as políticas draconianas do ex-presidente Donald Trump, centenas de milhares de migrantes se lançaram na fronteira, entre eles muitas crianças.

As detenções de migrantes sem documentos nos Estados Unidos dispararam 71% em março, chegando a 172.300, enquanto o número de menores não acompanhados dobrou para quase 19.000, segundo dados oficiais do país.

sms-ad-jla/mls/yo/aa