Presidente pede reformulação de acordos de paz na Guatemala

·2 minuto de leitura
Presidente guatemalteco Alejandro Giammattei

O presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, pediu a reconsideração dos acordos de paz assinados há 24 anos entre o Estado e a guerrilha de esquerda devido à persistência das condições que motivaram o conflito interno que durou três décadas.

"As causas que deram origem ao conflito armado em novembro de 1960 ainda são válidas (...) Hoje temos que buscar e focar na superação das causas estruturais que dão origem à pobreza, à marginalização e à exclusão social", afirmou ele em uma cerimônia.

A Guatemala, com 17 milhões de habitantes e afetada neste ano pela pandemia da covid-19 e pela passagem de dois furacões, tem quase 69% de sua população vivendo na pobreza.

"Quero lançar a ideia de repensar os acordos de paz", anunciou o presidente durante discurso no Patio de La Paz, na antiga sede do governo, onde foi assinado o fim do conflito armado em 1996, após 36 anos de guerra.

De 1960 a 1996, uma guerra civil foi travada na Guatemala entre o Estado e guerrilheiros de esquerda, que deixou cerca de 200.000 mortos ou desaparecidos no país, segundo um relatório da ONU de 1999, que atribuía 93% das violações dos direitos humanos às forças do Estado.

Giammattei considerou que o país ainda tem "uma dívida para com a história" e pediu o apoio da comunidade internacional para estabelecer um diálogo entre o governo e a sociedade civil a fim de buscar mecanismos que permitam a atualização dos acordos de paz.

O presidente indicou que em quase um quarto de século desde a assinatura da paz, muitos compromissos foram cumpridos, mas muitos estão pendentes, portanto "conflitos e divergências ainda estão vivos" e também apelou à unidade nacional para alcançar a reconciliação.

Para as organizações sociais, indígenas e humanitárias, o arcabouço institucional dos acordos de paz deve ser restaurado e sua vigência garantida, uma vez que existem muitos compromissos com defasagens importantes.

Eles reivindicam antes um possível fechamento do Programa Nacional de Ressarcimento (PNR) aos familiares das vítimas e à Secretaria da Paz (Sepaz), entidades criadas pelos acordos de paz.

A gestão do direitista Giammattei tem sido alvo de protestos por uma suposta falta de transparência.

As manifestações se acalmaram após um apelo ao diálogo e à eliminação de um orçamento questionado para 2021, criticado por não abordar os principais problemas do país.

ec/mav/mps/bn/mvv