Presidente de petrolífera da Rússia morre após cair da janela de hospital em Moscou

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ravil Maganov, presidente do conselho de administração da Lukoil, gigante de petróleo da Rússia que se manifestou contra a invasão da Ucrânia, morreu nesta quinta-feira (31) após cair da janela do sexto andar de um hospital em Moscou, informaram as agências de notícias estatais RIA Novosti e Tass. De acordo com pessoas ouvidas pelos veículos, o executivo teria morrido por suicício.

Na noite de quinta, a petroleira confirmou a morte do executivo, mas disse que foi em decorrência de uma "grave doença", sem revelar mais detalhes. A polícia ainda não se pronunciou sobre a morte.A segunda maior empresa de petróleo da Rússia chamou atenção no início de março após ser uma das poucas grandes empresas do país a se manifestar contra a ofensiva na Ucrânia. Em comunicado divulgado pelo conselho de administração, o grupo pediu uma resolução rápida para o conflito, expressando "sincera empatia por todas as vítimas afetadas pela tragédia".

Maganov trabalhava na Lukoil desde 1993, logo após o início da empresa, e supervisionou seu refino, produção e exploração, tornando-se presidente do conselho em 2020.

No fim de abril deste ano, o milionário Vaguit Alekperov, renunciou à presidência do grupo. Uma semana antes, ele havia sido incluído em uma lista de personalidades russas objetos de sanções no Reino Unido.

Nos últimos meses, vários executivos ligados à indústria de energia da Rússia morreram em circunstâncias pouco claras. Um dia depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, em fevereiro, um executivo da Gazprom, Alexander Tiulakov, foi encontrado morto em sua garagem perto de São Petersburgo. Em abril, Serguei Protosenia, ex-gerente da Novatek, foi encontrado morto com sua esposa e filha numa vila na Espanha. Em maio, executivos da Lukoil e Gazprombank também morreram em situações semelhantes.