Presidente do Republicanos diz que Tarcísio montará secretariado técnico em São Paulo

Governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas

Por Eduardo Simões

(Reuters) - O presidente nacional do Republicanos, deputado federal reeleito Marcos Pereira (SP), disse em vídeo publicado nesta segunda-feira que o governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas, montará um secretariado técnico para comandar o Estado que é a maior economia do país e reconheceu a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial.

Ex-ministro e aliado do presidente Jair Bolsonaro, derrotado por Lula no pleito nacional, Tarcísio disputou o governo paulista pelo Republicanos, e não pelo PL, partido do atual presidente. Com a vitória, a sigla assume o segundo maior orçamento do país --atrás apenas do governo federal-- e o Estado mais populoso.

"Nós vamos, com muita responsabilidade, não tenho dúvidas, que Tarcísio com muita responsabilidade vai montar um secretariado técnico e vai governar para todos, para os 46 milhões de brasileiros e brasileiras que vivem em São Paulo", disse Pereira, que também é ligado à evangélica Igreja Universal do Reino de Deus.

Um dos aliados mais próximos de Bolsonaro, Tarcísio disse também nesta segunda em entrevista à TV Globo que não tem no radar chamar quadros que compuseram o governo Bolsonaro para ocuparem secretarias no governo paulista.

Tarcísio anunciou que o empresário Guilherme Afif Domingos coordenará a transição de governo pelo lado do governador eleito. Do lado do atual governo, comandado por Rodrigo Garcia (PSDB), derrotado em primeiro turno na tentativa de reeleição, estará o atual secretário estadual de Governo, Marcos Penido.

A formação do secretariado de Tarcísio tem chamado a atenção de investidores e da população em geral, devido a especulações de que ele possa nomear bolsonaristas para sua equipe em São Paulo após a derrota eleitoral de Bolsonaro, e por causa dos projetos de concessões existentes no Estado e de sua promessa de privatizar a companhia de saneamento básico Sabesp.

Afif foi assessor especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, e também ocupou o Ministério da Micro e Pequena Empresa no governo da petista Dilma Rousseff. Também foi vice-governador de São Paulo na gestão de Geraldo Alckmin, eleito no domingo vice-presidente na chapa de Lula.

Além do Republicanos, PL, PTB, PSC, PMN e PSD fizeram parte da coligação de Tarcísio. O PSD, presidido pelo também ex-ministro no governo Dilma Gilberto Kassab, tem o agora vice-governador eleito Felicio Ramuth, ex-prefeito de São José dos Campos, no interior do Estado.

No vídeo que publicou nesta segunda, Pereira também reconheceu a vitória de Lula na eleição nacional e se colocou contrário a contestar o resultado das urnas, lembrando que sua sigla também elegeu nesta eleição o governador de Tocantins, Wanderlei Barbosa, e os senadores Hamilton Mourão (RS) e Damares Alves (DF), além de 41 deputados federais.

"As urnas são soberanas. Não há porque duvidar dos resultados das urnas, não há porque questioná-los", disse. "O Republicanos, na Câmara e no Senado --nós vamos ainda dialogar com os deputados e senadores-- mas seguramente, pelo seu programa de governo, seguirá independente", disse.