Presidente do TSE diz que há um tempo para resposta responsável para denúncias eleitorais

Paulo Amaral
Coletiva do TSE neste domingo teve como principal foco o combate às fake news.

Fake news. Esse foi o foco principal da entrevista coletiva realizada neste domingo, em Brasília, com a participação de Rosa Weber, presidente doTribunal Superior Eleitoral (TSE), Raul Jungmann (Ministro da Segurança Pública), Sergio Etchegoyen (Ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional), Grace Mendonça (Advogada-geral da Unão), Humberto Jacques (Vice-procurador-geral eleitoral) e Elzio Vicente da Silva (Diretor de investigação e combate ao crime organizado da Polícia Federal).

Durante mais de duas horas e meia os participantes foram questionados sobre a explosão de notícias falsas durante a campanha dos candidatos nas eleições 2018 e sobre a matéria publicada pelo jornal Folha de S. Paulo a respeito de empresas que estariam comprando pacotes de disparos em massa contra o PT no whatsapp.

Ao falar especificamente sobre o pedido de investigação aberto pelo partido do candidato Fernando Haddad, Raul Jungmann, Ministro da Segurança Pública, foi bastante direto. "O inquérito está aberto, mas por determinação do presidente está decretado o sigilo dos autos", resumiu.

Rosa Weber, presidente do TSE, complementou a resposta do colega de mesa. "A Justiça Eleitoral não combate boatos com boatos. Há um tempo para a resposta responsável. A Justiça Eleitoral combate boatos com respostas fundamentadas no âmbito das ações judiciais que lhes são propostas. E as ações judiciais exigem a observância do devido processo legal", avisou.

O tema envolvendo a denúncia do PT sobre a disseminação de fake news por parte de empresas contratadas pelo candidato do PSL, Jair Bolsonaro, foi um dos mais comentados durante a coletiva, o que obrigou Rosa Weber a falar mais de uma vez a respeito do assunto, em especial sobre o prazo para a resolução do problema.

"As ações judiciais exigem observância ao devido processo legal. A resposta da instituição há de ser responsável após análise das imputações. A Suprema Corte dará a...

Continue a ler no HuffPost