Presidente do STJ concede prisão domiciliar a mais dois investigados na operação que prendeu Crivella

Daniel Gullino

BRASÍLIA — O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, estendeu na segunda-feira os efeitos da decisão que concedeu prisão domiciliar ao prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, para outros dois investigados presos preventivamente na mesma operação: o empresário Adenor Gonçalves dos Santos e o ex-tesoureiro da campanha de Crivella Mauro Macedo.

Humberto Martins, por outro lado, negou a extensão para um terceiro investigado, o ex-delegado Fernando Moraes, que permanecerá preso.