Presidente sul-coreano diz que país deve responder à Coreia do Norte apesar de armas nucleares

Presidente da Coreia do Sul Yoon Suk-yeol

Por Hyonhee Shin

SEUL (Reuters) - O presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, disse nesta quarta-feira que qualquer provocação da Coreia do Norte deve ser enfrentada com retaliação sem hesitação, apesar de suas armas nucleares, informou seu gabinete, após uma invasão de drones norte-coreanos ao país.

Cinco drones norte-coreanos sobrevoaram a Coreia do Sul na segunda-feira, levando os militares sul-coreanos a enviar caças e helicópteros de ataque para tentar derrubá-los, no primeiro caso do tipo desde 2017.

"Precisamos punir e retaliar qualquer provocação da Coreia do Norte. Esse é o meio mais poderoso para impedir provocações", disse Yoon em uma reunião com seus assessores, segundo sua secretária de imprensa, Kim Eun-hye.

"Não devemos temer ou hesitar porque a Coreia do Norte tem armas nucleares", disse ele.

A invasão de segunda-feira gerou críticas na Coreia do Sul sobre suas defesas aéreas. Yoon repreendeu os militares, em particular por não terem derrubado os drones enquanto eles sobrevoavam a Coreia do Sul por horas.

O ministro da Defesa, Lee Jong-sup, disse ao Parlamento nesta quarta-feira que Yoon ordenou que ele enviasse drones para a Coreia do Norte em resposta a qualquer incursão "mesmo que isso signifique arriscar uma escalada".

As relações entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, aliada dos Estados Unidos, estão tensas há décadas, mas ficaram ainda mais tensas desde que o governo conservador de Yoon assumiu em maio, prometendo uma linha mais dura com a rival do norte.

A Coreia do Norte também tem pressionado o desenvolvimento de suas armas com numerosos testes de mísseis este ano em meio a especulações de que poderia testar uma arma nuclear pela sétima vez.

(Reportagem de Hyonhee Shin)