Presidente do TCU diz que auditoria nas urnas teve 'zero divergência' com o resultado do TSE

Depois do presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, não reconhecer o resultado das eleições, o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Bruno Dantas voltou a assegurar a lisura das urnas eletrônicas. Técnicos do TCU são responsáveis por realizar a auditoria das urnas eletrônicas e seguem um "padrão internacional", explicou Dantas, que disse não acreditar que o relatório das Forças Armadas, previsto para ser apresentado nesta quarta, irá "divergir da ciência e da técnica".

Malu Gaspar: Após desconforto com fala sobre relatório de militares, Valdemar diz ao STF que foi ‘mal entendido’

Em Brasília: Lula e Alckmin se reúnem com Arthur Lira na busca de apoio por espaço no orçamento de 2023

— Tenho todos os motivos para acreditar nas informações que recebi dos auditores do TCU e posso afirmar que as eleições brasileiras são auditáveis e traduzem aquilo que foi a expressão do voto popular -- afirmou Dantas, que explicou como foram feitas as verificações dos resultados. — Requisitamos os boletins de 4161 urnas, que chegaram em papel, antes de entrar em qualquer sistema. Constatamos que houve zero divergência com o resultado do TSE.

Questionado sobre a expectativa para a divulgação do relatório das Forças Armadas, sobre a verificação dos resultados das urnas, Dantas diz que é preciso "ver o que vem", antes de se posicionar, mas admitiu que não espera por contestações.

— Não acredito que alguém vai divergir da ciência e da técnica a essa altura — afirmou. — Seguimos padrões internacionais. Quem desejar dizer o contrário (sobre lisura das urnas) precisa dizer que manuais e que padrões segue. Nos temos convicção em assegurar que o que os nossos auditores dizem é algo consistente tecnicamente.

Nesta quarta, o presidente do TCU foi o mestre de cerimônias da abertura do 24º Congresso Internacional das Instituições Superiores de Controle (Incosai), que acontece no Rio ao longo dessa semana. Ao seu lado na abertura estiveram o prefeito Eduardo Paes (PSD) e o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD). Em sua fala, o senador também destacou as auditorias das urnas realizadas pelo tribunal.

— O TCU contribuiu muito fortemente para que houvesse o sentimento verdadeiro de uma realidade conhecida e reconhecida no seio nacional, da eficiência das urnas eletrônicas e do nosso sistema eleitoral de votação, que é motivo de orgulho da nação brasileira, e não de demérito — declarou Pacheco.

Pelos próximos três ano, o Brasil presidirá o Grupo de Trabalho da Auditoria Ambiental da Organização Internacional das Instituições Superiores de Controle (Intosai), que reúne os integrantes do congresso. Um reconhecimento, disse Bruno Dantas, que eleva a credibilidade do TCU em seus trabalhos de auditoria.