Presidente do TRE-RJ diz que forças federais podem ser convocadas para garantir segurança nas eleições de 2022

·1 min de leitura

RIO — Com um mês de carreira, em 1992, Elton Leme conduziu a sua primeira eleição como juiz de comarca e viu o pleito ser anulado por fraude, razão pela qual virou defensor da urna eletrônica. À frente do processo eleitoral de 2022 no Rio, no posto de presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Leme segue defendendo a tecnologia, garante que a Justiça não é inimiga dos políticos e afirma estar disposto a todos os esforços, inclusive a convocação de forças federais, para garantir o livre exercício do voto em tempos de intolerância.

O que se espera do processo eleitoral no Rio de Janeiro em tempos de intolerância?

A intolerância é uma forma de violência que tem se revelado nos dias de hoje de forma histérica. A boa notícia é que as instituições brasileiras, incluindo o Judiciário, vêm demonstrando muita solidez para lidar com esse tipo de fenômeno. A Justiça Eleitoral não é contra o político e a atividade política. Mas o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) tem dito o que é possível e o que não é possível fazer.

Cogita-se, como já ocorreu em eleições anteriores, o acionamento de forças federais para garantir a realização da campanha e da votação?

Utilizar força federal é sempre uma opção quando há risco, principalmente em função do crime organizado. Risco ao livre exercício do voto. Caso se perceba isso, temos sempre a obrigação de convocar. Mas hoje não há sinais

Leia na matéria completa exclusiva para assinantes o alerta que o desembargador faz sobre o risco de mentiras sobre candidatos espalharem em camadas mais vulneráveis.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos