Médicos britânicos são localizados em áreas controladas pelo EI na Síria

Médicos britânicos são localizados em áreas controladas pelo EI na Síria

Ancara, 24 mar (EFE).- Nove jovens médicos britânicos procurados pelas respectivas famílias foram localizados em dois hospitais em regiões controladas pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria, conforme informou à Agência Efe nesta terça-feira o parlamentar turco Mehmet Ali Ediboglu.

"Dois deles estão (trabalhando) em um hospital em Jarabulus", cidade síria próxima à fronteira com a Turquia, disse por telefone o político, ex-presidente da associação de médicos de Hatay (província do sul da Turquia).

"Os outros estão muito mais dentro (da Síria), perto de Al Raqqah", acrescentou o parlamentar, que tenta ajudar as famílias britânicas de origem sudanesa que viajaram à Turquia para "recuperar" os filhos, que decidiram deixar o Sudão, onde estudavam, para trabalhar como médicos voluntários na Síria.

Quatro são mulheres - Lena Maumoun Abdul Qadir, Rowan Kamal Zine El Abidine, Tasneem Suleyman Huseyin e Nada Sami Kadir - e cinco são homens - Ismail Hamadoun, Tamer Ahmed Abu Sebah, Usame Muhammed Bedir, Hisham Muhammed Fadlallah e Sami Ahmed Kadir.

Os parentes acreditam que os filhos tenham se unido ao EI. Ediboglu, agora deputado do maior partido da oposição, o Republicano do Povo (CHP), disse que conseguiu localizá-los com a ajuda de médicos sírios.

"Tentei achar uma solução para que venham à Turquia. Nesses lugares são necessários médicos e profissionais de saúde devido aos graves confrontos no local", explicou.

O legislador disse ter esperança em dar boas notícias para os parentes nos próximos dias, já que chegou a um acordo com ONGs islâmicas, com sede na Turquia, que contribuíram na construção de hospitais na Síria.

Segundo o acordo, as ONGs "transfeririam outros médicos para os hospitais" onde estão os britânicos e os enviariam para a Turquia, explicou.

"Agora há 14 parentes em Gaziantep (o centro nervoso dos refugiados e dos movimentos rebeldes sírios no sudeste da Turquia) esperando seus filhos. Acredito que muito em breve possam abraçá-los", disse Ediboglu.

De acordo com a reconstituição dos fatos, os jovens viajaram do Sudão para Istambul na madrugada do dia 12 de março. No dia seguinte, pegaram um ônibus rumo a uma cidade do sudeste, para depois chegar à Síria.

Na sexta-feira, Mamoun Abdel Gadir explicou à Efe por telefone que, no dia 13 de março, sua filha Lena enviou uma mensagem e uma selfie da Turquia para a irmã, na Inglaterra, para avisá-la que ia para a Síria.

Os pais de Lena, que moram na Inglaterra e ficaram comovidos pela decisão, entraram em contato com parentes de colegas da filha. Um grupo de familiares viajou à Turquia para tentar rastrear os filhos e contactaram Ediboglu. EFE