Presidentes de Peru e Equador fomentam desenvolvimento em região fronteiriça

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Os presidentes de Peru, Pedro Castillo (E), e Equador, Guillermo Lasso (D), durante encontro Binacional em Loja, em 29 de abril de 2022 (AFP/Juan Carlos GUZMAN) (Juan Carlos GUZMAN)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Peru e Equador acordaram, nesta sexta-feira (29), impulsionar o desenvolvimento das populações na fronteira comum, após o impacto econômico e social causado pela pandemia de covid-19, assim como a luta conjunta contra o narcotráfico e a criminalidade.

"Temos que fortalecer cada vez mais esta união para terminar com esses flagelos, como o narcotráfico, o corte indiscriminado [de árvores], o problema da delinquência, da pobreza, da poluição" ambiental, afirmou o presidente peruano Pedro Castillo, após participar de uma reunião com seu colega equatoriano Guillermo Lasso na cidade de Loja, no sul do Equador.

Os dois chefes de Estado lideraram o 14º gabinete binacional nessa cidade andina, capital da província equatoriana de mesmo nome e fronteiriça com o Peru.

Esse mecanismo, criado para acelerar o desenvolvimento da região fronteiriça, foi cumprido de maneira periódica até 2019, mas acabou sendo suspenso devido à pandemia, que já provocou mais de 212.000 mortos no Peru e 35.000 no Equador.

"Trabalhamos para promover o bem-estar de nossos povos, levando em conta o impacto econômico e social causado pela pandemia de covid-19", declarou, por sua vez, Lasso.

Os dois presidentes assinaram uma declaração na qual refletem os compromissos das duas nações para melhorar a integração e a qualidade de vida de seus habitantes.

Castillo indicou à imprensa que "há metas que foram traçadas" e pediu aos ministros dos dois países para "fazer o maior dos esforços para seguir impulsionando" o desenvolvimento.

Também reiterou o apoio de Lima para que Quito integre o bloco comercial Aliança do Pacífico, integrada por Peru, Colômbia, Chile e México.

Lasso indicou, por sua parte, que "temos tratado de temas de enorme importância" e destacou a decisão de Peru e Equador de reabrir em fevereiro passado suas passagens fronteiriças terrestres "com vistas ao pleno restabelecimento do trânsito de pessoas e intercâmbio comercial, e a reativação econômica e produtiva".

Depois da Colômbia, o Peru é o principal sócio comercial andino do Equador com exportações por 619 milhões de dólares e importações por 1,062 bilhão em 2021, segundo o Banco Central local.

O governante equatoriano também destacou a cooperação bilateral para repatriar seus conacionais da Ucrânia por causa da guerra nesse país.

Lasso indicou que, em junho próximo, será celebrado um encontro ministerial, no qual será relançado o projeto binacional de irrigação Puyango-Tumbes.

Castillo "me disse ao pé do ouvido: o que temos que fazer é colocar dinheiro e levar o projeto adiante. Eu estou de acordo com ele", opinou Lasso.

sp/yow/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos