Preso bolsonarista que destruiu o relógio de Dom João VI

Antônio Cláudio Alves Ferreira será levado à sede da PF em Uberlândia e depois à Brasília

Antônio Claudio Alves Ferreira, flagrado destruindo relógio raro do século 17 trazido por Dom João VI, foi preso nesta segunda-feira (23). (Foto: Reprodução e Associated Press / Eraldo Peres)
Antônio Claudio Alves Ferreira, flagrado destruindo relógio raro do século 17 trazido por Dom João VI, foi preso nesta segunda-feira (23). (Foto: Reprodução e Associated Press / Eraldo Peres)

Foi preso no início da noite desta segunda-feira (23) o bolsonarista que vandalizou e destruiu o relógio trazido ao Brasil em 1808, por Dom João VI. O criminoso, que havia sido identificado horas antes como Antônio Cláudio Alves Ferreira, de 30 anos, morador de Catalão (GO), foi preso em Uberlândia (MG).

Antônio Cláudio foi flagrado por imagens do circuito interno do Palácio do Planalto nos atos terroristas do dia 8 de janeiro. Ele vestia uma camiseta preta estampada com o rosto do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e quebrou e jogou ao chão o relógio Balthazar Martinot.

Segundo informações da PF (Polícia Federal), Antônio Cláudio Alves Ferreira será levado à sede da PF em Uberlândia e depois à Brasília.

Ele já respondeu por quatro processos na Justiça:

  • 2014 - Ameaça;

  • 2014 - Ameaça;

  • 2015 - Propriedade de um automóvel;

  • 2017 -Tráfico drogas;

Todos estão arquivados atualmente porque ele cumpriu as sentenças.

O relógio de Dom João VI

O relógio, feito pelo relojoeiro francês Balthazar Martinot, é considerado raro. Ele foi trazido ao Brasil em 1808, por Dom João VI. Existem apenas dois relógios de Martinot, incluindo o que estava no Planalto. O outro está exposto no Palácio de Versalhes, na França.

O golpista retirou os ponteiros e uma estátua de Netuno, que era fixada à obra de arte. A gravação foi exibida no domingo dia 16 pelo Fantástico. Após destruir o relógio, o vândalo destruiu a câmera do circuito interno na tentativa de encobrir o crime.

A Polícia Civil de Goiás diz que chegou a levantar informações sobre Antônio Cláudio a partir de denúncias anônimas recebidas dois dias depois da exibição da reportagem no Fantástico.

Para identificar os golpistas, a Polícia Federal está usando programas de computador a partir das imagens das câmeras de segurança do Congresso Nacional, do STF - Supremo Tribunal Federal e do Palácio do Planalto, e também imagens postadas nas redes sociais pelos próprios bolsonaristas extremistas.

“Em um primeiro momento nós estamos fazendo a comparação da imagem que foi captada durante as manifestações com imagens das pessoas que nós temos em bancos de dados. A partir desses softwares que fazem o cruzamento, a gente faz um complemento pra identificar corretamente as pessoas”, afirma Ricardo Saadi, diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado e à Corrupção – PF.

De acordo com a Polícia Federal, o homem que atacou o quadro de Di Cavalcanti no Palácio do Planalto também foi identificado.

Como a ação foi flagrada?

As cenas da depredação do relógio, fabricado pelo relojoeiro francês Balthazar Martinot, foram flagradas pela câmera de segurança do Palácio do Planalto, localizada no terceiro andar do prédio. O registro foi ao ar na TV Globo no último domingo (15).

A que horas o relógio foi vandalizado?

Os vídeos virais cortaram a parte da tela que exibe as horas, baseando-se apenas no horário marcado pelo relógio de corda. Mas na gravação original, é possível ver que a câmera marcava 15:33 e não um horário anterior à invasão, como circula nas redes.

Procurada, a Secom (Secretaria de Comunicação Social) do governo informou ao Yahoo! Notícias que o relógio de Balthazar Martinot já não funcionava há pelo menos dez anos, por isso não é possível levar em consideração o horário marcado por ele nas imagens. A pasta ainda informou que no segundo mandato do presidente Lula (PT) "foi realizada a tentativa de manutenção do relógio, sem sucesso, por se tratar de um objeto histórico e de difícil reparação".

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.