Preso em hospital, procurador agressor tem histórico de problemas com mulheres

Procurador suspeito teria pedido exoneração do cargo na Prefeitura de Registro ao alegar questões de saúde mental. Em seguida, pediu judicialmente sua reintegração e foi atendido
Procurador suspeito teria pedido exoneração do cargo na Prefeitura de Registro ao alegar questões de saúde mental. Em seguida, pediu judicialmente sua reintegração e foi atendido

O procurador Demétrius Oliveira de Macedo, de 34 anos, foi preso na manhã de quinta-feira em um hospital psiquiátrico em Itapecerica da Serra, em São Paulo. Sua prisão havia sido decretada pela Justiça por ter espancado sua chefe, a procuradora-geral do município de Registro Gabriela Samadello Monteiro de Barros, de 39 anos. O espancamento ocorreu durante o expediente, na frente de outros funcionários, e foi gravado por uma das testemunhas.

O delegado Daniel Vaz Rocha, do 1º Distrito Policial de Registro, foi quem pediu a prisão do acusado. Ele afirmou que, durante a prisão, Macedo se manteve tranquilo e não esboçou reação.

– Ele aceitou as ordens e não precisou ser algemado. Durante todo o trajeto, ficou em silêncio – disse Rocha.

Segundo o delegado, que conduziu a investigação e deve relatar o inquérito até a próxima semana, Macedo tem um histórico "descortês e rude" e é acusado de tratar mal colegas de trabalho, sempre mulheres.

Rocha informou que, segundo a vítima, o acusado já havia relatado problemas psiquiátricos no passado. Ele teria pedido exoneração do cargo na Prefeitura de Registro ao alegar questões de saúde mental. Em seguida, pediu judicialmente sua reintegração e foi atendido.

Com base em fotos e vídeos da agressão, além do depoimento da procuradora-geral, Rocha pediu a prisão preventiva do acusado. Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, ele prestou depoimento no Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) e passou pelo Instituto Médico Legal (IML) para realização de exame de corpo de delito.

Posteriormente, Macedo foi encaminhado para audiência de custódia e seguirá preso na capital paulista, a menos que a delegacia de Registro, no interior de São Paulo, peça a sua transferência.

– No laudo inicial do médico legista, o crime veio como lesão corporal qualificada, devido ao sexo feminino, salvo eventuais complicações futuras. Agora vou pedir exames complementares de corpo de delito da vítima, para ver se há complicações que podem ser classificadas como graves – explicou Rocha.

No entendimento do Ministério Público de São Paulo, o tipo de crime vai além da lesão corporal. Na tarde de quinta-feira, os promotores designados pelo órgão para apurar a agressão ofereceram denúncia contra o acusado por homicídio tentado e feminicídio. O órgão diz que o caso está sob sigilo e não deu mais detalhes. A decisão cabe à Justiça.

Em vídeo após a prisão, a procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros disse que se sentiu mais segura com a prisão de Macedo. Em entrevista à TV Tribuna, emissora afiliada à Rede Globo, ela contou que tem recebido muitas mensagens de apoio de outras mulheres.

– Tem me dado forças para expor essa situação, para poder encorajar cada vez mais pessoas a fazerem o mesmo, e, assim, a gente mudar esse pensamento machista e patriarcal que a gente vive na sociedade hoje – afirmou Gabriela.

Gabriela também se disse satisfeita com a atuação do Estado e com celeridade das investigações. E agradeceu aos órgãos que a apoiaram.

– Queria agradecer às instituições que me apoiaram, OAB, Ministério Público, governador, poder judiciário. É possível mudar esta situação de violência, basta a gente ter coragem – finalizou.

Gabriela foi agredida depois de dar andamento a um processo para apurar denúncias de hostilidade de Macedo contra outra funcionária, a agente administrativa Thainan Maria Tanaka, de 29 anos, que trabalha na mesma repartição. A servidora relatou, na ocasião, estar com medo de trabalhar no mesmo ambiente do colega.

Na quinta-feira, Thainan disse ao G1 que o agressor era "terrível, mal-educado" e "desprezava todas as mulheres". Ainda segundo a funcionária, ele ficava confortável e feliz ao ver alguém mal ou o clima ruim. "Quando a chefia era homem ele se comportava normal, mas ele odiava ter o cargo abaixo de uma mulher", contou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos