Preso em operação contra 'QG da propina', ex-delegado Fernando Moraes ostentava vida de luxo nas redes sociais

Extra
·1 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Preso na operação desta terça-feira contra o esquema de corrupção na prefeitura do Rio conhecido como "QG da Propina", José Fernando Moraes Alves, mais conhecido como Fernando Moraes, tem 58 anos, é delegado aposentado e ex-vereador pelo MDB. Moraes foi titular da Delegacia Anti-Sequestro, atuou como vice e presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro) e como vice-presidente e conselheiro da Agetransp.

Nas redes sociais, Moraes compartilha uma vida de luxo. Fã de carros de alto padrão, já publicou fotos com veículos Ferrari, Mercedes e Porsche. Em uma das postagens escreveu: "Mercedes na oficina, o jeito é sair de Porshe mesmo".

O ex-delegado mostra ainda viagens para hotéis com vista para o mar e piscinas de borda infinita em Angra dos Reis. Passeios de jet skis também foram registrados. Em 2018, ele arrematou por R$ 50 mil o jet ski que pertencia ao ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (MDB) em um leilão da Justiça Federal. O valor seria dividido em 30 vezes e, segundo informou em entrevista ao "Estadão", ele pretendia entregar e veículo aquático de presente para o filho, Thor.

O delegado também ficou conhecido por namorar Luma de Oliveira, um ano após a modelo se separar do empresário Eike Batista. Em 2006, o casal assumiu a relação após ser flagrado aos beijos no ensaio da escola de samba Beija-Flor. Os dois ficaram juntos por cerca de um ano e meio.

Segundo o Ministério Público, Moraes participou ativamente das negociações de contratação da empresa Assim Saúde para intermediar o fornecimento de planos de saúde a servidores municipais. O "QG da Propina" recebia da empresa R$ 1,5 milhão por mês em troca de um contrato de R$ 210 milhões com a prefeitura.