Marido de Perlla se pronuncia em carta após prisão: 'Machucado por tantas inverdades'

Preso há quase um mês pela Polícia Federal, acusado de participar de um esquema de pirâmide financeira, Patrick Abrahão, marido da cantora Perlla, se pronunciou pela primeira vez sobre o ocorrido. O empresário, de 24 anos, publicou nesta terça-feira, 15, nas redes sociais uma carta desabafo que escreveu na prisão, declarando ser inocente.

"Em meio a dias difíceis, queremos agradecer o carinho e a oração de todos, principalmente a nossa família. (...) Me sinto muito machucado por tantas inverdades. Fatos que nem constam no processo a meu respeito e nem denuncia existe ainda. Como se eu tivesse esmeraldas em casa, movimentado bilhões, me colocando como dono de uma empresa que eu era investidor. Declaro que estamos 100% a disposição da justiça para esclarecer tudo.", disse ele na carta.

Na publicação, Pattrick relatou como tem sido tratado na prisão: "Estamos bem, fomos tratados com respeito desde a hora da prisão, até o momento que estou escrevendo essa carta para vocês. Cremos que breve tudo será esclarecido e retornaremos para o seio de nossa família. Mesmo em meio a luta estamos firmes, ganhando vidas para Jesus, orando nas celas, e como eu sempre falei, 'o que não nos mata, nos fortalece'".

"Aprendi a viver em todas as situações, sem reclamar, e bendito seja o nome do Senhor. Para tudo tem um propósito, e estou vivendo ele com ajuda de Deus. Contamos com a oração de vocês sempre, estamos aqui, mas nosso coração aí e breve venceremos essa momentânea tribulação", finalizou.

Patrick foi preso no dia 19 de novembro na Operação La Casa de Papel, da Polícia Federal (PF), da Receita Federal e da Agência Nacional de Mineração, suspeito de participar de um esquema de pirâmide financeira transnacional.

A operação apreendeu cerca de R$ 5 milhões em carros de luxo, R$ 1,3 milhão em criptoativos e R$ 75 mil em espécie. Segundo as investigações, a rede de Patrick lesou pelo menos 1,3 milhão de pessoas em 80 países e lhes impôs um prejuízo de R$ 4,1 bilhões.

Patrick é investigado por crimes contra o sistema financeiro nacional, evasão de divisas, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, usurpação de bens públicos, crime ambiental e estelionato.