Preso em setembro, líder de seita era casado com 20 mulheres, entre elas menores de idade, revela FBI

Preso em setembro em uma investigação sobre tráfico sexual de menores de idade, o americano Samuel Bateman, de 46 anos, líder de uma seita fundamentalista cristã, era casado com 20 mulheres, segundo revelou o FBI nesta sexta-feira. Entre elas, estavam estavam menores de idade.

De acordo com um documento do FBI, Bateman alegava que era vontade divina que mantivesse relações sexuais com as mulheres. Bateman era líder de um culto polígamo, formado de uma dissidência da Igreja Mórmon.

Seu sustento, inclusive, vinha dos ex-maridos e pais destas mulheres, que as haviam entregado ao homem, que também se identificava como 'profeta'.

Bateman foi detido pela primeira vez neste ano, em agosto, quando foi descoberto pelas autoridades transportando meninas de 11 e 14 anos em um trailer. Ele acabou solto após pagar uma fiança.

No entanto, Bateman acabou detido novamente em setembro, acusado de destruir provas.

Assistentes sociais retiraram nove meninas dos cuidados de Bateman no início do ano. Elas foram enviadas para lares coletivos, onde ficaram sob a supervisão de autoridades do estado do Arizona. Em novembro, oito delas fugiram.

Na semana passada, agentes do FBI encontraram as meninas junto a duas mulheres de Bateman, que acabaram acusadas de sequestro pelas autoridades.