Preso há dois meses, Gabriel Monteiro está em cela individual em cadeia na Zona Oeste do Rio

Há dois meses atrás das grades, o ex-vereador Gabriel Monteiro permanece em uma cela individual, separado dos demais presos, na Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, conhecida como Bangu 8, no Complexo de Gericinó. De acordo com o advogado Sandro Figueredo, o isolamento atende a um pedido da defesa do também ex-policial militar, preso acusado de crimes sexuais.

Peculato: Além de acusações de crimes sexuais, Gabriel Monteiro é acusado desvio de dinheiro público

Denúncia do MP: Jovem que acusa Gabriel Monteiro de estupro foi contaminada pelo vírus do HPV

Ainda de acordo com Figueredo, apesar de mantido em cela individual, Monteiro tem contato com outros presos durante o banho de sol. Bangu 8 conta, atualmente, com 337 detentos, apesar de ter capacidade para 400. Segundo informações da secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio, o ex-vereador não está trabalhando dentro da cadeia.

Investigação: Gabriel Monteiro 'usou a arma como um brinquedo', diz delegado

Tapa no rosto: Mulher que acusa ex-vereador de estupro conta que foi agredida ao se negar a ficar com segurança de Gabriel Monteiro

Gabriel aguarda, preso, à primeira audiência em um dos processos respondidos por ele, no qual é acusado de estupro. A sessão está marcada para ocorrer no dia 8 do próximo mês. Na ação, em andamento na 34ª Vara Criminal da capital, Monteiro é acusado de estuprar uma vendedora. De acordo com o Ministério Público, o ex-PM forçou a jovem a manter relações com ele após a inauguração de uma casa noturna, em 15 de julho do ano passado, na Barra da Tijuca. Nesse processo, Gabriel teve a prisão preventiva decretada no início de novembro do ano passado.

No fim do mesmo mês, o ex-vereador teve a prisão decretada pela juíza Simone de Faria Ferraz, da 43ª vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, pelos crimes de violação sexual mediante fraude e assédio sexual contra seus ex-assessores. Os dois processos estão em segredo de Justiça.

O pedido de isolamento de Monteiro na cadeia, à época de sua prisão, foi feita pelos seus advogados, alegando que o ex-vereador fez prisões em sua antiga função (de policial militar), além de ter sofrido tentativas de homicídio.

Relembre a prisão

Gabriel Monteiro se entregou na 77ª DP (Icaraí) no dia 7 de novembro do ano passado, após a Justiça ter decretado sua prisão no processo no qual ele é acusado de estupro. Antes de ir para a delegacia, ele gravou um vídeo em que nega o crime e disse que vai provar sua inocência. O ex-vereador responde por um crime que teria ocorrido no dia 15 de julho, já depois da divulgação de outras denúncias contra ele, inclusive por estupro.

O inquérito apontou que o ex-parlamentar conheceu a vítima na reinauguração de uma boate e a levou para a casa de um amigo no bairro do Joá, onde a teria forçado a manter relações sexuais sem preservativo e teria lhe transmitido HPV. Na delegacia, a vítima contou que o início do relacionamento foi consensual, mas terminou em violência. Após se beijarem e trocarem carícias na casa noturna, os dois seguiram em um carro com cinco seguranças e uma amiga da jovem. Ainda no veículo, ele sacou uma arma da cintura e entregou para a amiga da mulher, que, assustada, a devolveu. Ao entrarem no quarto, ainda com a porta destrancada, o ex-vereador foi ao banheiro. Na volta, ao ver que a mulher tentava deixar o cômodo, impediu-a de sair.

Segundo a denúncia assinada pelo promotor Marcos Kac, Gabriel Monteiro "trancou a porta do quarto, retirou a arma da cintura, passou no rosto da vítima, constrangendo-a com o fim de ter conjunção carnal, e começou a rir. Em ato contínuo, pegou o telefone celular, para gravar fatos que se sucederiam, contudo, o aparelho estava sem bateria", relata o documento.

Em seguida, o youtuber "foi para cima da vítima" para despi-la de forma violenta. Ela, então, teria dito que tiraria a própria roupa. Com a mulher nua, o ex-vereador "a empurrou de forma violenta sobre a cama e começou a ter relação sexual de forma também violenta, sem usar preservativo, mesmo após os apelos da vítima para que ele não mantivesse relação sem camisinha". Durante o estupro, com a mulher chorando muito e imobilizada por ele, que segurava os dois braços dela pelos pulsos, ele passou a lhe fazer perguntas: "É minha?", "Você está gostando?" e "Se eu pedir para você ficar com um dos meus seguranças na minha frente, você ficaria?"

A denúncia do Ministério Público narra que, a cada pergunta, respondendo ou não, a mulher recebia um forte tapa no rosto. Ao dizer que não ficaria com o segurança, a vítima, após apanhar de Gabriel, foi questionada novamente, respondendo sim, por medo. Mesmo assim, "recebeu um tapa mais forte, tendo o denunciado dito na sequência: 'Você não tem personalidade'."

Em depoimento, a jovem também contou que tentou, em vão, soltar as mãos para proteger sua região genital. Aos prantos e sendo xingada, ela ainda ouviu do ex-vereador: "Se você continuar assim, vai ser pior, eu vou lhe espancar". Quando parou de tentar se defender, relata ela, Gabriel Monteiro começou a falar de assuntos desconexos, como da máfia de reboque e de outros temas sem muito sentido. A vítima teria esperado o ex-vereador dormir para conseguir deixar o local. Exames médicos mostraram que ela sofreu lesões e fissuras na região genital, tendo contraído HPV.