Preso homem que roubou réplica da Constituição do prédio do STF

Designer já havia devolvido a réplica da Constituição à Polícia Federal dias depois do ataque aos Três Poderes, em Brasília

Réplica da Constituição que estava na sede do STF foi exibida por um dos extremistas que participou dos atos no DF. Bolsonarista devolveu livro e se entregou à Polícia Federal. (Reprodução/ Redes sociais)
Réplica da Constituição que estava na sede do STF foi exibida por um dos extremistas que participou dos atos no DF. Bolsonarista devolveu livro e se entregou à Polícia Federal. (Reprodução/ Redes sociais)
  • Bolsonarista que levou réplica da Constituição de 1988 do STF no dia dos ataques aos Três Poderes se entregou à Polícia Federal;

  • Designer já havia devolvido o livro à PF dias após o episódio do dia 8 de janeiro;

  • Após instauração de inquérito e ordem de prisão, ele se entregou à polícia.

O apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que levou uma réplica da Constituição de 1988 do Supremo Tribunal Federal (STF) foi preso pela Polícia Federal nesta quarta-feira (25).

O designer Marcelo Fernandes Lima, de 50 anos, havia entregado a réplica à PF quatro dias após os ataques às sedes dos Três Poderes, em Brasília (DF), realizados no dia 8 de janeiro. Ele já havia prestado depoimento e sido liberado.

Todavia, após instauração de inquérito pela PF, foi expedido um pedido de prisão contra ele, que se entregou no município de Varginha. De acordo com apuração do portal G1, o designer será levado para um presídio no Sul de Minas Gerais.

Evitar que o livro fosse destruído

Em depoimento, Marcelo Fernandes alegou que não tinha intenção de depredar os bens públicos, e pegou a Constituição por temer que ela fosse destruída.

"Eles gritavam: 'Vamos rasgar, vamos rasgar'. Que o declarante percebeu que se tratava de um exemplar da Constituição Federal e, como nunca teve qualquer intenção de depredar coisa nenhuma, achou aquilo um absurdo e tomou o livro das mãos daquelas pessoas, para que não fosse destruído", cita o depoimento obtido pela EPTV Sul de Minas, afiliada da Rede Globo.

É ele quem aparece em fotos segurando a réplica do documento nas mãos na Praça dos Três Poderes. O designer é de São Lourenço (MG) e tem uma empresa com sede em Campinas (SP).

Marcelo disse à PF que não sabia o que fazer com o livro diante da situação caótica que havia se instaurado. E, por isso, o levou, para posteriormente devolver a alguma autoridade.

Portas do STF abertas

Em depoimento, o designer também disse acreditar que as portas da sede do STF já estavam abertas quando os extremistas chegaram, “pois entrou no prédio sem ver uma porta sequer quebrada ou arrombada”.

Quando a réplica da Constituição foi devolvida à PF, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, comemorou nas redes sociais.

"A Constituição que os terroristas roubaram no STF foi apreendida e recuperada. Viva a Constituição! Ela venceu e sempre vencerá", escreveu o Ministro.

Confira a publicação:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.