Preso motorista de ônibus suspeito de atropelar homem em Copacabana

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu, nesta segunda-feira (2), o motorista de ônibus suspeito de atropelar e matar um homem em Copacabana, na zona sul, logo após o Réveillon.

Contra Valdir das Mercês Junior, de 28 anos, foi cumprido um mandado de prisão temporária de 30 dias por suspeita de homicídio doloso, quando há intenção de cometer o crime ou quando a pessoa assume o risco de matar. Na delegacia, o motorista alegou que a vítima estaria alcoolizada e que não teria conseguido frear a tempo de evitar o acidente.

Segundo a polícia, no entanto, as diligências, depoimentos de testemunhas e análises de imagens apontaram que o motorista assumiu o risco de matar o pedestre. Gilson Castro Silva, 58, morreu no local.

"Inicialmente, as informações davam conta de homicídio culposo. Mas a equipe da 12ª DP (Copacabana) realizou diversas diligências, incluindo a análise de imagens e oitiva de testemunhas, que demonstraram que houve clara intenção do motorista em atropelar a vítima. Gravações obtidas pelos policiais mostram o exato momento em que o homem é atropelado e arrastado por alguns metros", declarou a Polícia Civil.

As imagens mostraram Gilson na frente do ônibus, tentando impedir que ele seguisse viagem enquanto outras pessoas também tentavam embarcar no veículo.

Em seguida, o motorista avança e Gilson cai para trás. No vídeo, também é possível ver que o motorista não para o veículo mesmo após perceber a queda da vítima.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu por volta das 5h15 na avenida Nossa Senhora de Copacabana, minutos após a liberação do trânsito na via devido à festa de Réveillon realizada na praia da zona sul.

Ainda de acordo com a corporação, equipes do quartel de Copacabana chegaram ao local e encontraram a vítima já em óbito. Testemunhas disseram que o homem chegou a ser arrastado pela roda do veículo.

O Rio Ônibus, sindicato das empresas de ônibus, afirmou que o motorista foi afastado de suas funções. "O profissional trabalhava no cargo desde 2017 e costumava rodar nesta mesma linha", disse a entidade em nota.

O mandado de prisão temporária foi expedido pela juíza Flávia Fernandes de Melo Balieiro Diniz, do Plantão Judiciário, a pedido do delegado André Leiras, titular da 12ª DP.

O motorista ficará preso por até 30 dias, até a conclusão da investigação. Ele será conduzido para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, onde deverá passar por uma audiência de custódia.